Para Azambuja, acidentes aéreos são "fatalidade"

O presidente da Federação Nacional dos Aeroviários e Aeronautas, Pedro Azambuja, disse nesta terça-feira, depois de audiência com o ministro-chefe do Casa Civil, Pedro Parente, que apesar dos últimos acidentes e incidentes ocorridos com aviões nos últimos dias, "é seguro voar no Brasil". Depois de ressaltar que "tem confiança" nos profissionais do setor, Pedro Azambuja, salientou que "só pode atribuir à fatalidade" os problemas ocorridos nos últimos dias. Azambuja se referia aos dois acidentes com aviões da TAM, em São Paulo, na sexta-feira passada, seguido de um outro com o avião da Rico, fabricado pela Embraer, no Acre. Falava também dos dois incidentes ontem com os táxis aéreos da Líder que transportavam o candidato ao governo de São Paulo, Paulo Maluf, e um terceiro com o presidenciável, Luiz Inácio Lula da Silva, do PT, em um avião da TAM."As razões exatas dos acidentes, só as investigações apontarão", declarou o presidente da Federação da categoria. Ele salientou, no entanto, que a situação de crise e cáos no setor intranqüiliza os funcionários, que precisam de serenidade para trabalhar com segurança. Mas Azambuja não acredita que estes problemas estejam sendo responsáveis por qualquer um desses incidentes. "Mas todos precisam de segurança para trabalhar."Azambuja informou ainda que o encontro com Pedro Parente teve por objetivo tratar das medidas que estão em discussão para o setor aéreo. De acordo com o presidente da Federação, os acidentes e incidentes ocorridos nos últimos dias foram apenas citados nas conversas, mas nenhum juízo de valor foi feito em relação os problemas porque só os órgãos de investigação poderão apontar as causas dos ocorridos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.