Para Asma, Brasil precisa melhor direitos humanos se quiser ser líder

A liderança que o Brasil almeja ter no cenário internacionaldepende também de melhorar condições internas como o respeito aosdireitos humanos. O recado foi passado neste sábado de forma simpática, em tom de torcida pelo País, pela relatora da Organização das Nações Unidas para Execuções Sumárias, Arbitrárias e Extrajudiciais, Asma Jahangir, no encerramento de reunião que teve com especialistas sobre o assunto na Ponfifícia Universidade Católica (PUC) do Rio de Janeiro. Depois de ouvir por mais de três horas depoimentos de autores de umrelatório sobre o tema no Rio, advogados e representantes de entidades ligadas aos direitos humanos, a relatora afirmou que os problemas encontrados aqui interessam não só ao País, mas também à comunidade internacional. ?É uma sociedade (internacional) que quer ver uma liderança -eu espero que possa ser vista no Brasil. Então, é muito importante que o Brasil tenha os melhores dados sobre direitos humanos?, disse a paquistanesa. Em visita de inspeção ao País desde 16 de setembro, ela considera que sua viagem está sendo ?frutífera? e declarou ter uma visão positiva do Brasil. Isso porque, apesar dos problemas, existe também a consciência na sociedade brasileira de que eles existem, de que são negativos e que precisam ser resolvidos. ?Estou feliz porque no governo e fora dele há a percepção de que algo está muito errado há muito tempo e que há a necessidade de mudar?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.