Hélvio Romero/Estadão
Hélvio Romero/Estadão

Para analista, Huck pode ocupar espaço entre bolsonarismo e a oposição

Cientista político Marco Antônio Teixeira, da FGV-SP, diz que apresentador de TV 'testa o ambiente político' com declarações recentes sobre o governo de Jair Bolsonaro

Paulo Beraldo e Gabriel Wainer, O Estado de S.Paulo

15 de agosto de 2019 | 16h50

As declarações do apresentador de TV Luciano Huck dissociando o presidente Jair Bolsonaro da 'renovação política' o colocaram novamente como um candidato à Presidência da República para 2022. A avaliação é do professor e pesquisador Marco Antônio Teixeira, da Fundação Getúlio Vargas em entrevista à TV Estadão e ao Broadcast Político. Para Teixeira, Huck aproveita o momento para "testar o ambiente". "Há uma lacuna enorme entre o que está se transformando o bolsonarismo e o antibolsonarismo, que está restrito ao PT", afirmou o professor. 

Na quarta, Huck disse que não acredita que o governo de Bolsonaro seja "o primeiro capítulo da renovação". "Para mim, estamos vivendo o último capítulo do que não deu certo", disse em um evento que teve a participação do ex-governador do Espírito Santo Paulo Hartung

Hartung foi um dos principais articuladores de um movimento para que Huck fosse um candidato “outsider” na eleição presidencial do ano passado. O ex-governador chegou a ser cotado como vice numa possível chapa, mas o apresentador declinou e não concorreu.

Segundo Marco Antônio Teixeira, candidatos com um discurso "acima dos conflitos" e que busquem um processo de construção para dar outros rumos ao País terão espaço e visibilidade em 2022. "Acredito que Huck tenha lastro político, tenha apoios na chamada classe média formadora de opinião, até pelo próprio movimento que lidera (ele integra o movimentos de renovação política RenovaBR e Agora!) e talvez seja objeto de desejo de grandes partidos, como PSDB e DEM". 

Centro

Há ainda outros nomes que se colocam na disputa por um espaço ao centro, como Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara dos Deputados, e o governador de São Paulo, João Doria (PSDB). Para Marco Antônio Teixeira, é preciso entender "o que é o centro" hoje em dia. 

"Ao meu juízo, (o centro) é não fomentar conflitos e buscar a construção de acordos. Nesse aspecto, talvez Maia e Huck tenham mais condições de ocupar o espaço. Doria tem grande chance, mas precisa se desvincular da armadilha do conflito político pela via da polarização", afirmou.

Oposição  

Para o pesquisador, a esquerda tem errado ao não fornecer, até o momento, alternativas viáveis no debate político. Ele diz que não vê, por exemplo, dentro do principal partido de oposição, o PT, a emergência de uma nova liderança política.

"Ou a esquerda aprende que política é soma, inclusive com os diferentes, ou corre o risco de continuar no gueto. Se continuar no gueto, vai continuar com 20, 25, 30% de apoio, mas com rejeição muito grande. E aí não consegue se colocar de maneira factível para 2022", afirmou. 

"(A esquerda) caiu na armadilha do Lula livre, sobretudo o PT. Ao priorizar a agenda Lula livre, esqueceu que tem um país rodando, com desemprego, com o problema do desmatamento, do agrotóxico, e pouco se coloca nesse debate". 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Luciano Huck

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.