Para Amaral, da OAB-SP, CPMF é tributo fascista

O representante da OAB de São Paulo, Antonio Carlos Rodrigues do Amaral, afirmou hoje, na audiência pública da Comissão de Constituição e Justiça do Senado, que a CPMF é um tributo fascista e não permite que o cidadão identifique a carga tributária que está por trás dele. "É um tributo que se esconde em cada uma das atividades", afirmou. Rodrigues do Amaral defendeu a rejeição da prorrogação da CPMF ressaltando que seria um momento para o Congresso se recuperar da crise de identidade em função das denúncias do mensalão e caso Renan. "A questão da CPMF se insere num momento de busca de personalidade do Congresso. É um tributo intrinsecamente injusto, é regressivo. A grande maldade da CPMF é naquilo que não se vê, em todo o seu potencial na corrosivo na riqueza de que é tirado", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.