Para Álvaro Dias, papel da CPI é 'manter o mal à luz'

Senador diz que comissão deve selecionar alvos; ele não espera que outros envolvidos sejam presos

Guilherme Waltenberg, de O Estado de S. Paulo

14 de agosto de 2012 | 18h02

Um dos 30 membros da CPI que investiga o contraventor Carlinhos Cachoeira, o senador Álvaro Dias afirmou que o principal papel da investigação é trazer a público os fatos sendo investigados. "Estamos realizando um esforço para manter o mal à luz, para que ele possa ser identificado, combatido e condenado", contou.

Desanimado com a composição da comissão, com apenas seis dos trinta membros oriundos da oposição, o senador Álvaro Dias afirmou que a comissão tem um "comando com orientação político partidária". "O comando tem o objetivo de selecionar os alvos a serem acertados. E aqueles mais próximos do poder devem ser blindados."

Dias revelou não ter esperanças de que algum dos envolvidos seja preso, além daqueles que já estão, como o próprio Cachoeira. Para ele, o papel do processo de investigação é convocar a sociedade para pressionar as autoridades. "Não podemos ficar aguardando um relatório final que seja uma bomba capaz de colocar pessoas na cadeia. Podemos esperar que a CPI traga transparência nesse processo. E isso convoca a sociedade a pressionar as autoridades."

Questionado se era necessário chamar novamente o governador de Goiás, o tucano Marconi Perillo, para depor na CPI, Dias afirmou tratar-se de uma "estratégia de protelação". "A convocação é para exploração política, vão fazer as mesmas perguntas e terão as mesmas respostas (do Perillo). É uma estratégia de protelação para que a CPI chegue ao final, temos uns 80 dias para finalizá-la. Empurra o máximo para a frente. Não houve depoentes fundamentais, como o (proprietário da Delta, Fernando) Cavendish e o (ex-diretor do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) Luiz Antônio) Pagot". Para Dias, a convocação de Pagot é necessária.

"Temos que ouvir preferencialmente o Pagot, que ameaçou dizer (o que sabe). Ele afirmou ter sido cooptado para arrecadar fundos para a campanha eleitoral do PT e teria feito isso na sede do DNIT. Isso é muito grave", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
CPICachoeiraÁlvaro Dias

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.