Para Alckmin, Serra já caiu no "gostinho" popular

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin(PSDB), acredita que o candidato de seu partido à Prefeitura paulistana, José Serra, já "caiu no gostinho popular". Ocomentário foi feito nesta terça-feira, no Palácio dos Bandeirantes, ao se referir às últimas pesquisas quemostram o tucano na liderança da corrida eleitoral. "Apesar de as pesquisas refletirem a fotografia do momento, confio nasestatísticas e acredito que a tendência é de crescimento", observou.Mesmo com o resultado positivo nas pesquisas, o governador acredita que é necessário "ter muita humildade e não ter saltoalto". Segundo Alckmin, é fundamental "amassar muito barro e comer muita poeira na corrida à Prefeitura da capital".Alckmin garantiu estar muito confiante com o desempenho de seu partido nas eleições de outubro próximo. "O PSDB estápreparado para fazer um bom governo na capital, e escolheu o melhor candidato, alguém que até mesmo os adversáriosreconhecem as qualidades", comentou.Para ele, além de ser um bom administrador, ter visão política e gerenciamento, "José Serra tem a capacidade de transformarsonhos em realidade".O presidente municipal do PSDB e um dos coordenadores da campanha tucana, EdsonAparecido, informou que será "Trabalho e Ética". o nome que a coligação, encabeçada por Serra e que tem Gilberto Kassab (PFL) comocandidato a vice-prefeito. Animado com os resultados das mais recentes pesquisas deintenção de voto, Aparecido destacou que o PSDB nunca começou uma campanha municipal tão bem posicionado. Segundo ele, o desafio da coligação é manter a liderança e consolidar a posição da chapa durante o horárioeleitoral gratuito, que começa em 17 de agosto. "As chances de a chapa Serra/Kassab chegar ao segundo turno do pleito sãogigantescas", afirmou.Além de destacar a vantagem de Serra, o presidente do municipal do PSDB criticou a adversária do PT, a prefeita e candidata àreeleição, Marta Suplicy (PT). "Ao contrário do que propõe o nome da nossa legenda, Marta tentou mostrar trabalho só no últimoano de governo e não agiu com ética no que se refere a certos contratos de sua gestão, pois muito deles foram emergenciais.Isso vem se refletindo na rejeição do eleitorado. Ela está colhendo a incompetência que plantou", atacou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.