Para Alckmin, Reale teve compromisso com a verdade e a justiça

"Um homem que sempre teve compromisso com a verdade e a justiça". Assim o ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), qualificou o jurista Miguel Reale, , que morreu ontem, aos 95 anos, de enfarte. "Ele foi um exemplo de cidadão, de professor, de jurista, de homem público, de acadêmico da Academia Brasileira de Letras,", afirmou ao expressar sua solidariedade à família. Para Alckmin, Miguel Reale o faz lembrar de Fenelon, que dizia que o homem deve usar da palavra apenas para exprimir o pensamento e daí para a verdade e a justiça. Fenelon foi um sacerdote francês que viveu no final do século 17, dedicado a salvar e converter as almas para o catolicismo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.