Para Alckmin, greve da saúde é "absurda"

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) criticou hoje a greve dos funcionários da área da saúde. Para ele, a paralisação, que já dura dez dias, "é um absurdo". "Já falei para o secretário da Saúde (José da Silva Guedes) que greve é falta. E se coloca no prontuário", disse ele. Alckmin afirmou que considera a paralisação "absurda" porque o governo não disse, em nenhum momento, que não haveria reajuste salarial. "Nós estamos negociando, conversando. Greve é um último recurso. Além disso, já adiantamos que haverá reajuste, só ainda não sabemos de quanto", afirmou. A greve no setor, que teve início no último dia 11, já conta com adesão de 16 dos 45 hospitais estaduais paulistas. O Sindsaúde, sindicato que representa os funcionários estaduais do setor, informou que, dos 86 mil trabalhadores, 16 mil aderiram à paralisação. As reivindicações da categoria são um plano de carreira com aumento salarial, revalorização do prêmio de incentivo, regulamentação da jornada de 30 horas semanais para todos os trabalhadores da categoria e extensão aos aposentados dos benefícios obtidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.