Para Alckmin, Exército nas ruas só em emergências

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), entregou hoje o diploma de formação em cursos profissionalizantes para 33 internos da unidade Tatuapé, da Fundação Estadual para o Bem-Estar do Menor (Febem). Os jovens representaram outros 279 colegas que estudaram durante um mês e meio 24 tipos de carreiras, como tapeçaria, mecânica de automóveis, funilaria e construção civil, entre outros. No discurso, Alckmin agradeceu o esforço da "rapaziada" e anunciou que a Unidade Imigrantes, destruída durante uma rebelião, será transformada em um centro de esportes, lazer e entretenimento para crianças e adolescentes.PolíciaO governador classificou como importante a reunião realizada ontem com o presidente Fernando Henrique Cardoso e governadores de outros Estados, que enfrentam a possibilidade de greve nas polícias Civil e Militar. Entre as propostas apresentadas no encontro, Alckmin destacou a unificação das corporações. "Esse é o norte. A integração das polícias é importante para a segurança pública". Em relação ao uso das Forças Armadas com poderes de polícia, Alckmin fez ressalvas: "é um remédio necessário só em caso de emergência".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.