Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Para Aécio, governo se tornou 'refém da semana seguinte'

Senador tucano afirma que projeto da presidente Dilma se resume a se manter no cargo 'por mais uma semana' e que ela 'não se coloca mais em condições de governar o País'

Luciana Nunes Leal, O Estado de S. Paulo

28 de setembro de 2015 | 12h36

Rio - O presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), disse nesta segunda-feira, 28, que o governo é "cada vez mais refém da semana seguinte" e não tem condições de levar adiante um projeto para o País.

"A presidente Dilma tem como projeto de governo apenas se manter no cargo mais uma semana. O Brasil acompanha perplexo essa incapacidade do governo de responder à altura das dificuldades que ele mesmo criou. Faz-se o diabo para se manter no poder mesmo que tenha que entregar a saúde dos brasileiros, a condução da infraestrutura a aliados, independente da sua qualificação", criticou o tucano, que participa de encontro do PSDB do Rio para discutir as eleições municipais do ano que vem.

O senador fez referência ao fato de que a presidente Dilma Rousseff prometeu ao PMDB da Câmara dois ministérios,  entre os quais o da Saúde.  Para Aécio, a negociação com o PMDB em torno dos ministérios "é a demonstração clara de que a presidente não se coloca mais em condições de governar o País".

O senador voltou a ressaltar que o impeachment tem "previsão constitucional, se adquiridos componentes políticos e jurídicos", mas que "não cabe ao PSDB escolher se a saída é o impeachment, cassação no Tribunal Superior Eleitoral ou afastamento por livre e espontânea vontade ou até mesmo eventual continuidade no cargo".

Aécio disse ser "natural" que governadores tucanos sejam mais cautelosos em relação ao impeachment do que os deputados. "Todos nós, o presidente Fernando Henrique, o governador Geraldo Alckmin, todas as lideranças do partido cada vez acreditam menos na capacidade da presidente de se sustentar no cargo."

Tudo o que sabemos sobre:
Dilma RousseffAécio Nevesimpeachment

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.