AFP
AFP

Para Adams, processo do impeachment perdeu 'fôlego'

Advogado-geral da União argumenta que não há consenso sobre afastamento Dilma nem mesmo entre a oposição, mas que governo continua com 'pressa' para tirar assunto da pauta

Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

30 de dezembro de 2015 | 18h52

BRASÍLIA - Responsável pela defesa da presidente Dilma Rousseff no processo de impeachment, o advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, avalia que a tese usada para afastar a presidente perdeu “fôlego” e afirma que o governo continua com “pressa” para tirar o assunto da pauta.

Para Adams, a decisão da equipe econômica de pagar as pedaladas fiscais ainda este ano ajuda a demonstrar que o governo está disposto a cumprir as orientações dos órgãos de controle e que o debate sobre a assinatura de decretos orçamentários é uma tentativa de criar uma “infração” que, na verdade, não existe.

O advogado-geral argumenta ainda que não há consenso nem mesmo entre os partidos da oposição sobre a saída de Dilma e que um eventual impeachment da petista sem “unidade” poderia criar uma “fratura” institucional do País.

“Um país que sofra um processo de cassação sem uma unidade é um país que se fratura, e essa é uma fratura política muito pesada, muito forte, muito complicada. Por isso que eu acho que esse processo de cassação não tem fôlego para sobreviver. Porque a sustentação dele é só política, não é jurídica”, afirmou ao Estado.

O advogado-geral da União diz ainda que o governo vai trabalhar para acelerar a conclusão do processo, mas admite que o ritmo do andamento do impeachment está nas mãos do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), atualmente rompido com o Palácio do Planalto. “Pressa a gente tem. Mas o problema é que o processo está paralisado, e a retomada depende da Câmara”, disse.

Para ele, o governo não pode descuidar da articulação em política em janeiro, mas deve aproveitar o recesso parlamentar para concentrar seus esforços na formulação de medidas para ajudar o País a superar a crise econômica. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.