Para ACM, mulher responsabilizou a ditadura pela morte do pai

O senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) disse que Simeona dos Santos, uma desempregada que o agrediu verbalmente hoje, à saída da CPI dos Bingos, não acusou a ele diretamente de matar seu pai, mas sim a ditadura militar, durante a qual ele atuou como político. ACM disse que não reagiu mais violentamente à acusação da mulher, porque lhe pareceu que ela estava mentalmente desequilibrada.O incidente ocorreu no começo da tarde e levou o presidente da CPI dos Bingos, Efraim Morais (PFL-PB), a pedir à segurança que retirasse Rosa da sala, onde estava depondo o perito do IML de São Paulo, PauloVasques. A desempregada, de 46 anos, disse que seu pai, Artur Pereira da Silva, foi torturado e morto no regime militar, e responsabilizou ACM pelo fato. Na hora do incidente, ACM reagiu dizendo que não sabia do que se tratava.Rosa continuou com as acusações, enquanto era retirada da sala. Ela luta na Justiça para que sua família receba indenização pelos traumas que teria sofrido durante a ditadura. Segundo Rosa, a família já teria recebido R$ 119 mil, mas o processo ainda tramita na Justiça.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.