Para ACM, governo dá verbas às bases de seus desafetos

O ex-senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) queixou-se ao secretário-geral da presidência da República Euclides Scalco que o Planalto estaria ajudando, com verbas federais, os deputados do PSDB e PMDB. "Não se pode admitir que o governo jogue verbas públicas nas bases de ´a´ e ´b´ para prejudicar ´c´, isso é imoral e mácula a biografia do presidente Fernando Henrique Cardoso", comentou ACM repetindo trecho da conversa que teve com o secretário-geral da presidência.Scalco tomou a iniciativa de telefonar ontem para o político baiano como parte de sua espinhosa missão de tentar contornar a crise entre o PFL e o governo. Encontrou um ACM receptivo, mas irritado com a ajuda aos políticos da aliança PSDB/PMDB. "Acho que o diálogo com o governo é possível, mas não com esse tipo de atitude, de jogar dinheiro para municípios controlados pelas bandas podres desses partidos, onde políticos só conseguem sobreviver desta forma", reclamou Magalhães citando dois de seus maiores desafetos na política baiana, o líder do PSDB, deputado Jutahy Júnior (BA) e o líder do PMDB, deputado Geddel Vieira Lima, como beneficiários das tais verbas federais. "Mas isso não é só na Bahia não, é em todo o Brasil", disse.Conforme ACM, Euclides Scalco se mostrou sensível às queixas. "Ele concorda que governo é uma coisa e campanha política é outra, precisa ficar separado", informou, achando que se essa distribuição de verbas "carimbadas" parar, será mais fácil um entendimento com o PFL. "Nós vamos vencer as eleições na Bahia mesmo que o PSDB e o PMDB continuem a receber verbas federais", avaliou ACM, rejeitando a imagem de que vem comandando a oposição do PFL ao governo da Bahia. "Isso é onda", notou. Sobre a pesquisa Datafolha à sucessão presidencial, Magalhães disse que o pré-candidato do PT, Luís Inácio Lula da Silva, está se transformando num "candidato fortíssimo" e que sem dúvida vai para o segundo turno. "Quanto ao (senador José) Serra (pré-candidato do PSDB) não passa dos 19% apesar de toda a propaganda em torno do seu nome."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.