Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Para 40%, governo Dilma é 'bom ou ótimo', indica CNI/Ibope

Resultado indica oscilação positiva na comparação com setembro e aprovação da maneira de governar passou de 48% para 52%

NIVALDO SOUZA, Estadão Conteúdo

17 de dezembro de 2014 | 11h53

Atualizado às 12h15

Brasília - A avaliação do governo Dilma Rousseff melhorou a partir de setembro. O governo da petista foi avaliado como ótimo ou bom por 40% dos entrevistados pelo Ibope entre os dias 5 e 8 de dezembro, com margem de erro de dois pontos porcentuais. Em setembro, a avaliação positiva era de 38%. A sondagem foi encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

A avaliação regular do governo Dilma oscilou de 32% para 33% no mesmo período. Os que consideram a atual administração ruim ou péssima somaram 28% em dezembro, ante 27% em setembro. O porcentual dos que não souberam ou não quiseram responder se manteve em 1%.

A aprovação da maneira de governar de Dilma Rousseff também melhorou: passou de 48% para 52% entre setembro e dezembro. A pesquisa mostra também um recuo no número dos brasileiros que desaprovam o modo Dilma de governar, que passou de 46% para 41% no mesmo período. Os que não souberam ou não responderam passaram de 6% em setembro para 8% em dezembro.

A confiança no governo Dilma também cresceu, passando de 45% para 51%. Outros 44% disseram que não confiam na administração da petista, mas essa fatia foi menor na comparação com os 50% em setembro. Os que não souberam ou não responderam se mantiveram em 5%.

A pesquisa ouviu 2.002 pessoas em 142 municípios de todo o País. As entrevistas foram feitas entre os dias 5 e 8 de dezembro e o nível de confiança é de 95%.

Operação Lava Jato. O noticiário sobre a Operação Lava Jato, que investiga denúncias de desvios envolvendo contratos da Petrobrás, foi lembrado pela maior parte da população. Segundo a pesquisa, 45% dos entrevistados disseram que acompanharam notícias relacionadas à Lava Jato. A operação foi citada diretamente por 31% dos entrevistados, seguida pela prisão de ex-diretores da estatal (19%). A prisão de diretores de empreiteiras foi lembrada por 6% dos entrevistados.

Para 44% das pessoas ouvidas, as notícias são desfavoráveis para o governo Dilma, esse porcentual era de 32% no levantamento anterior, realizado em setembro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.