Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Para 2018, Meirelles tenta firmar imagem ligada a crescimento e emprego

Meirelles não só intensificou a agenda de viagens pelo País e de reuniões com aliados políticos como também promoveu grandes mudanças no seu perfil nas redes sociais

Adriana Fernandes Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

04 de dezembro de 2017 | 19h42

BRASÍLIA - Comandante do processo de ajuste fiscal que exigiu medidas duras e impopulares, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, tenta se firmar como o candidato do crescimento e da volta do emprego. "A melhor política social que existe é o emprego" é agora a sua mensagem preferida, repetida incansavelmente ao longo das últimas semanas na peregrinação pela busca de emplacar sua candidatura à Presidência da República nas eleições de 2018.

+++ Temer traça estratégias para 2018 em reunião com Maia e aliados

Depois da votação na Câmara dos Deputados que barrou a segunda denúncia contra o presidente Michel Temer, Meirelles não só intensificou a agenda de viagens pelo País e de reuniões com aliados políticos fora da agenda econômica (entre elas a aproximação com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia), como também promoveu grandes mudanças no seu perfil nas redes sociais.

+++ 'Meirelles falou mais do que devia', diz presidente interino do PSDB

O Twitter passou a seu principal canal de comunicação. O discurso renovado, com apelo agora para temas sociais e de combate desigualdades sociais, substituiu os temas áridos da economia centrados no arrocho fiscal que marcaram o início da sua gestão à frente do Ministério da Fazenda.

+++ PT fará ofensiva contra reforma da Previdência

Até mesmo o cenário dramático para as contas públicas nos próximos anos sem a aprovação da reforma da Previdência, que serviu de apoio da equipe econômica nos últimos meses para defender a proposta, foi deixado de lado. Já que o ministro não tem como dissociar sua imagem da reforma, a saída é continuar a defesa sob uma nova roupagem, mais "light", com foco nos efeitos positivos que são esperados com a aprovação do texto sobre o crescimento do País.

+++ Lula segue na liderança para 2018, diz pesquisa

A mudança de tom do ministro da Fazenda é vista como natural, já que não se vê falar numa campanha em arrocho, meta fiscal, teto de gastos e adiamento de reajustes de servidores. São pautas que fazem parte do processo de reequilíbrio fiscal perseguido pelo atual governo, mas não criam empatia junto à população.

+++ PMDB e PSDB projetam aliança só em três Estados

A melhora nas vendas do comércio, no consumo das famílias, no bem-estar da população e a retomada do crédito serão as bases do novo discurso construído por Meirelles para tentar se credenciar ao Palácio do Planalto e ganharão ainda mais destaque em suas aparições públicas. Em evento recente com representantes do varejo, ele moldou seu discurso para exaltar a participação do setor na recuperação da economia. Em seu Twitter, com quase 30 mil seguidores, compartilhou matéria do Estado que mostrou como a queda da inflação traz alívio ao bolso das famílias mais pobres.

+++ Temer colocou Meirelles e Alckmin no mesmo palanque

O ministro tem alardeado as grandes chances que a economia tem de crescer 3% no ano que vem e os efeitos positivos que isso terá no mercado de trabalho e no bem-estar social. Quando o Banco Mundial escancarou uma série de desigualdades que existem no Brasil, em relatório encomendado pelo próprio governo, Meirelles recorreu mais uma vez ao seu novo mote: "a melhor política social que existe é o emprego".

Há a expectativa de que o ministro possa capitalizar em cima da geração de emprego esperada na esteira da reforma trabalhista, principalmente com a modalidade de trabalho intermitente, que permite a contratação de um funcionário sob demanda do empregador e com pagamento por dia ou hora trabalhada. Mais flexíveis, esses contratos devem começar em breve a impulsionar as estatísticas de trabalho formal no País.

Mesmo assim, a avaliação nos bastidores é que tornar Meirelles um candidato competitivo "não será fácil", pelo contrário. Há muitas dificuldades porque ele não é um político tradicional e conta com pouco tempo (até março do ano que vem) para construir um discurso e as alianças políticas para viabilizar sua candidatura.

O momento de anunciar a decisão de concorrer ou não - março do ano que vem - tampouco ajuda, pois é um período tradicionalmente de maior sufoco para as famílias devido à concentração da cobrança de tributos, reajustes de mensalidades e à necessidade de ir às compras para o início do ano letivo. A grande aposta, no entanto, é que a população brasileira comece a sentir melhor os efeitos da recuperação da economia ao longo do ano que vem.

POPULARIDADE

O ministro já tem testado sua popularidade. Em eventos recentes em Porto Alegre e Brasília, foi assediado para tirar fotos e, mesmo cansado ou com a agenda apertada, dedicou-se a atender a todos os pedidos. Na posse do ministro das Cidades, Alexandre Baldy, Meirelles também foi cercado e posou para inúmeras fotos e "selfies" no salão Oeste do Palácio do Planalto, disputando atenções com o recém-empossado.

Para cuidar de sua imagem e de sua conta no Twitter, Meirelles contratou o publicitário Fábio Veiga, sócio do Neovox Comunicação, de Florianópolis. Seu perfil na rede social inaugurou nos últimos dias uma logomarca nova que dá ênfase ao nome de "Henrique Meirelles", mais dissociada do Ministério da Fazenda e sem nenhuma referência ao governo federal. Suas participações em eventos de dentro e fora do governo também têm sido acompanhados por um cinegrafista, cujos vídeos abastecem as redes e têm gerado um maior engajamento em comentários.

Veiga esteve à frente da campanha que reelegeu o governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo. No próximo dia 21 de dezembro, Meirelles vai aparecer na propaganda partidária que o PSD vai veicular. Ele ainda não gravou as imagens principais porque aguarda o desenrolar justamente da votação da reforma da Previdência.

O ministro também conta com um jornalista dedicado a cuidar dos assuntos de suas empresas. Ele tem uma consultoria e um fundo offshore, no exterior, criado para gerir sua herança, segundo explicou o ministro.

VIAGENS 

Antes concentrado no eixo Brasília-Rio-São Paulo, o ministro começou a diversificar seu cardápio de destinos dentro do Brasil. Até o início de outubro, Meirelles já havia comparecido a pelo menos quatro eventos ligados à Assembleia de Deus (um deles em 24 de agosto, em Juiz de Fora) e gravou um vídeo dirigido a pastores evangélicos pedindo “a oração de todos” pela economia. Depois de 13 de setembro deste ano, quando recebeu integrantes do PSD para um almoço em sua residência no Lago Sul, zona nobre de Brasília, e foi alçado a candidato pela bancada, a agenda de viagens se intensificou.

Em 27 de outubro, Meirelles foi a Vitória, no Espírito Santo, onde almoçou com o governador Paulo Hartung e depois participou de encontro com lideranças empresariais. Em 10 de novembro, ele viajou a Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, onde participou de um evento e de um almoço com empresários locais.

Foi em terras gaúchas que Meirelles deu um passo mais ousado em sua comunicação sobre eventual candidatura e, além de admitir ser um “presidenciável”, estabeleceu pela primeira vez um prazo para anunciar a decisão de concorrer ou não. Disse na ocasião que o assunto seria avaliado a partir de março do ano que vem – data que já virou mantra do ministro quando surge a inevitável pergunta sobre sua candidatura. O calendário fixado por Meirelles não foi ao acaso, já que o prazo de desincompatibilização para ocupantes de cargos públicos concorrerem nas eleições termina no início de abril.

O ministro da Fazenda também esteve com empresários em Salvador (20 de novembro) e em Florianópolis (24 de novembro).

Além das viagens, a estratégia de Meirelles tem sido intensificar a participação em eventos com empresários de diferentes segmentos. No mesmo dia do “bate e volta” a Salvador, ele compareceu a um jantar de confraternização do grupo “Empresários em Ação – Sindivarejistas-DF”, que “nasceu em um grupo de WhatsApp”, segundo definição de um dos participantes. Ao chegar ao evento, Meirelles ouviu gritos de “presidente, presidente!”, ainda que de forma tímida. Mesmo cansado da maratona, ele atendeu aos pedidos para que ficasse um pouco mais no evento e deixou o restaurante perto das 23h, depois de posar para “selfies” e dar entrevista a jornalistas. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.