Papa preside cerimônia de adeus a Dom Lucas

Com uma solene e comovente cerimônia, presidida pelo papa João Paulo II, o Vaticano deu adeus hoje a Dom Lucas Moreira Neves, arcebispo emérito de Salvador da Bahia, prefeito emérito da Congregação para os Bispos e presidente emérito da Comissão para a América Latina. Dom Lucas morreu no último domingo, em Roma, aos 76 anos, devido a complicações renais causadas pelo diabetes. É a primeira vez que um prelado brasileiro recebe honrarias de tão alto nível na Santa Sé. Nenhum outro foi homenageado com uma missa na basílica de São Pedro, símbolo máximo do catolicismo - sinal do prestígio de Dom Lucas no Vaticano, onde ocupou cargos importantes.A missa de corpo presente durou uma hora e meia e foi celebrada em latim pelo cardeal Joseh Ratzinger, prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé. Além dos parentes - a irmã de Dom Lucas, Estela, e o sobrinho Carlos Alberto, participaram todos os cardeais da Cúria, bispos, embaixadores junto à Santa Sé, religiosos, amigos, colaboradores e 20 bispos brasileiros do Amazonas, Rondônia, Roraima e Acre, que estão em visita ao Vaticano. O papa, que ainda não voltou de sua residência de verão em Castelgandolfo, veio a São Pedro para a tradicional audiência das quartas feiras, que hoje foi dedicada à recordação dos atentados de 11 de setembro. Almoçou em seu apartamento e ficou para a missa de Dom Lucas, retornando em seguida a Castelgandolfo. ??Em louvor de sua glória?- as palavras do apóstolo Paulo são uma síntese da existência do caro cardeal Lucas Moreira Neves. Ele as havia escolhido como inicio do próprio testamento espiritual, escrito na quinta feira da Paixão de 2000", disse o papa durante a homilia que percorreu as etapas principais da vida religiosa do cardeal brasileiro. "Como bispo auxiliar de São Paulo foi apreciado por suas qualidades de mente e coração, por sua sensibilidade pastoral e inesgotável caridade para com os pobres, principalmente os meninos de rua. Em consideração a essas suas qualidades, foi chamado a ocupar cargos cada vez mais importantes", lembrou o santo padre. João Paulo II lembrou quando chamou Dom Lucas para assumir o cargo de prefeito da Congregação dos Bispos, em 1998, que manteve até setembro de 2000, quando renunciou por motivos de saúde. E falou também do sofrimento causado pela doença, que aumentou sua dedicação ao próximo. "O ultimo pensamento de Dom Lucas foi dedicado à busca do rosto de Deus. Ele quis terminar seu testamento espiritual expressando um desejo :"Sobre meu túmulo gostaria que fossem escritas apenas as palavras do salmo: ?Eu busquei o teu rosto, ó senhor?", terminou o papa, que apareceu cansado e com muita dificuldade para subir na plataforma móvel que o transporta pelo interior da basílica. Mas o cansaço não o impediu de encontrar a irmã de Dom Lucas após a cerimônia. "O papa me disse que perdeu um grande amigo", contou Estela, emocionada e orgulhosa. Ela acompanhará o corpo do irmão sexta feira na viagem para Salvador, onde chega sábado."Acho que Dom Lucas mereceu essa cerimônia. Quando ele começou a ficar doente, pensamos que deveria ir para o Brasil, para nossa casa, onde cuidaríamos dele, porque sabíamos que diabete era uma doença longa e daria muito sofrimento. Hoje eu entendo que Deus faz as coisas direito. Ele tinha que morrer em Roma e ter essa cerimônia maravilhosa", disse Estela.SalvadorO corpo de Dom Lucas será sepultado na capela-mor da Catedral Basílica, onde descansam vários arcebispos de Salvador e o terceiro governador-geral do Brasil, Mem de Sá. A Arquidiocese de Salvador ainda não recebeu a informação do Vaticano do dia e horário que o corpo do religioso chegará em Salvador. "Só sabemos que será entre a sexta e o sábado", disse o assessor de comunicação da Arquidiocese padre Manoel de Oliveira Filho.A cúpula da Igreja baiana se reuniu hoje para discutir detalhes sobre a cerimônia do adeus a dom Lucas. Seu corpo ficará em câmara ardente para visitação pública na Catedral durante 24 horas após a chegada em Salvador. Nesse período, várias missas serão celebradas e grupos culturais se apresentarão rendendo homenagens ao cardeal, que comandou a Arquidiocese de Salvador durante 11 anos. Essa foi a razão da Igreja ter decidido sepultá-lo na Catedral Basílica. "Estamos atendendo a um desejo do cardeal", disse padre Manoel, acrescentando que parte da família de dom Lucas queria que seu corpo fosse sepultado na cidade natal de São João Del Rey (MG), mas acabou acedendo ao pedido em vida do religioso.A missa exequial será presidida pelo cardeal-arcebispo de Salvador, dom Geraldo Majella Agnelo e concelebrada por vários bispos e padres. A Arquidiocese espera a presença de representantes da Igreja de todo o País para a cerimônia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.