Papa lança apelo aos divorciados que se casam novamente

O papa João Paulo II reafirmou hoje que se sente muito próximo das pessoas separadas e divorciadas que voltaram a se casar e que, como batizadas, são chamadas a participar da vida cristã em respeito às diretrizes da Igreja. O pontífice reiterou o princípio proposto há anos na exortação "Familiaris consortio" em meio a um discurso que fez perante os participantes do seminário promovido pelas "Equipes de Nossa Senhora", sobre o tema "Casais chamados por Cristo a uma Nova Aliança", que foram hoje recebidos em audiência. O tema, segundo as palavras do papa, é particularmente oportuno "diante das ameaças que cercam a família e dos fatores que a tornam mais frágil". João Paulo II recordou que "para os cristãos, o matrimônio, que foi elevado à dignidade de sacramento, é por natureza um sinal de aliança entre Deus e o homem e entre Cristo e a Igreja". "Assim, durante toda sua vida, os cônjuges cristãos têm por missão manifestar de modo visível a aliança - impossível deser derrubada - entre Deus e o mundo", destacou. "A fé cristã apresenta o matrimônio como uma boa história: relação recíproca e total, única e indissolúvel, entre um homem e uma mulher, convocados a doar a vida", disse o pontífice. Segundo o ensinamento papal, os divorciados que voltam a se casar, vivendo numa situação de "desordem moral", não podemser admitidos aos sacramentos - mas podem, e são convidados afazê-lo, participar da vida da comunidade cristã.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.