Papa distribuiu US$ 9 milhões em esmolas em 2002

O papa João Paulo II distribuiu US$ 9 milhões em esmolas ou doações pessoais em 2002, informou em Roma o arcebispo alemão Paul Josef Cordes, presidente do Conselho Pontifício Cor Unum, responsável pela distribuição dos recursos enviados ao Vaticano por católicos do mundo inteiro.Boa parte do dinheiro - cerca de US$ 1.9 milhão - se destinou às vítimas do terrorismo e da guerra no Oriente Médio, que recebeu mais US$ 400 mil, entregues ao patriarca latino de Jerusalém, para assistência às comunidades católicas da Terra Santa. ?Fruto da generosidade de muitos fiéis, o papa pôde destinar 1.905.606 dólares e 25.331 euros a 48 países para projetos de saúde, educação, formação profissional, agricultura, alimentação, moradia e para ajuda às crianças, idosos e mulheres?, anunciou o Serviço de Informação do Vaticano (VIS). A África terá US$ 2,6 milhões para 233 projetos de desenvolvimento. Na América Latina e Caribe, a Fundação Populorum Progressio, criada pelo papa em 1992 para a promoção humana das populações indígenas, mestiças e afro-americanas que vivem em zonas rurais, vai receber US$ 1,9 milhão para o financiamento de 223 projetos. Os países que apresentaram maior número de projetos para ter recursos da fundação foram Colômbia (35), Peru (34), Brasil (25), México (23) e Equador (22). Outros beneficiados foram Bolívia e Haiti (14), Guatemala (13), Nicarágua (12, Chile e El Salvador (11), Paraguai (8), Costa Rica, Panamá e República Dominicana (7). Argentina, Cuba, Uruguai e Venezuela entraram com três projetos cada um. Antilhas e Honduras, com apenas dois. ?Nós certamente recebemos em ajuda bem mais do que enviamos ao Vaticano?, observa o cardeal d. Geraldo Majella Agnelo, arcebispo de Salvador e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).O valor dos recursos distribuídos por João Paulo II no ano passado corresponde a 17% da arrecadação do Óbulo de São Pedro, que é a contribuição enviada ao papa pelas 5.627 dioceses de todo o mundo, num total de US$ 52,8 milhões. Esse dinheiro é coletado nas paróquias no dia 29 de junho, festa dos apóstolos São Pedro e São Paulo. Além dessa arrecadação institucional, o papa recebe doações pessoais, que os fiéis fazem diretamente a ele. O site do Vaticano (www.vatican.va) tem uma página para o Óbulo de São Pedro, com várias opções para a remessa. Os fiéis podem enviar o dinheiro diretamente ao papa, em nome de Sua Santidade João Paulo II - 00120 Cidade do Vaticano, utilizar um vale postal para Óbulo de São Pedro, n.º 75070003 - 00120 Cidade do Vaticano ou fazer um depósito bancário para Óbulo de São Pedro - n.º 9990000/01 - Banca Intesa - ABI: 3069 - Cab: 5093. O papa aceita também os cartões de crédito American Express, Visa, Mastercard e Diners. O Vaticano teve, no último exercício fiscal, um déficit de US$ 15 milhões, pois gastou cerca de US$ 258 milhões e arrecadou US$ 243 milhões. Apesar das dificuldades financeiras, que se agravaram depois dos ataques terroristas nos Estados Unidos, em setembro de 2001, a generosidade dos fiéis aumentou: o Óbulo de São Pedro coletou 1,8% mais em 2002 do que no ano anterior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.