Papa celebra missa pra 2 milhões de fiéis

A missa campal que o papa João Paulo II celebrou esta manhã reuniu um público calculado em 2 milhões de fiés - duas vezes e meia a população de Cracóvia, de 800 mil habitantes. Vieram milhares de peregrinos de todas as partes da Polônia e delegações dos países vizinhos. Bandeiras e faixas de saudação ao papa identificavam grupos da Ucrânia, Bielorússia, Rússia, Eslováquia, República Checa, de outras regiões da Europa Central e ainda do Brasil. Duas horas e meia antes do início da missa, marcado para as 10 horas locais, porta-voz da arquidiocese de Cracóvia pediu pelo microfoneque as pessoas não fossem mais para o Parque Blonia, onde foi montado o altar, porque não havia mais espaço. Milhares depessoas aglomeraram-se então nas ruas vizinhas ou foram para uma colina que fica bem de frente do altar, a dois quilômetros dedistância. Sol a pino, calor de 28 graus, mais de 100 pessoas desmaiaram e foram retiradas de maca pelas equipes de socorro. João Paulo II fez uma homilia de 35 minutos, na qual condenou o "liberalismo sem medida" pelo qual o homem moderno tentaocupar o lugar de Deus, "arrogando-se o direito do Criador de interferir no mistério da vida humana". O homem, disse o papa,"quer decidir por meio de manipulações genéticas sobre a vida humana e determina o limite da morte". O papa voltou a pregar a misericórdia divina, tema central de sua pregação, nesta sua oitava visita à Polônia, como remédiopara as pessoas que sofrem, especialmente os desempregados e aqueles que passam fome. Ele exaltou a caridade cristã eincentivou os países mais ricos a socorrer aqueles que enfrentam dificuldades. João Paulo II demonstrou cansaço em vários momentos da missa e chegou a perder a voz ao cantar uma trecho da liturgiaantes da recitação do Pai Nosso. Mas, no fim da cerimônia, recuperou o fôlego para improvisar mensagens aos váriosgrupos de peregrinos. O último deles foi uma delegação de jovens de Wadowice, sua cidade natal, que fica a 50 quilômetros deCracóvia. "O papa é nosso", gritaram os jovens em coro. O papa sorriu e acenou demoradamente para seus conterrâneos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.