Pantanal enfrenta maior seca dos últimos 27 anos

O Pantanal enfrenta a maior seca dos últimos 27 anos e o nível do rio Paraguai, que atravessa toda a região, pode chegar a menos de meio metro. O alerta é de técnicos da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), instalada em Corumbá, centro do Pantanal de Mato Grosso do Sul. A última grande seca no Pantanal foi em 1974. Segundo afirmam, desde o início deste ano eles previam prolongada estiagem. Que pode ser vista no aumento das queimadas incêndios florestais e o baixo nível do rio Paraguai.Entre os pesquisadores da Embrapa Pantanal está Sérgio Galdino. Baseado em dados de réguas de medição fixadas em pontos estratégicos do Paraguai desde o ano de 1900, ele afirma que o Pantanal pode estar entrando em um novo ciclo de seca. "A régua de medição do município de Ladário tem uma série longa de dados e funciona como um termômetro do Pantanal, como referencial de seca", disse. O método para previsão da intensidade da estiagem foi desenvolvido pelo pesquisador, a partir de estudos iniciados em 1995.Robin Clarke, especialista em estatística aplicada em hidrologia, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRS), também participou da pesquisa fazendo análises dos picos de cheias. O Pantanal sempre teve ciclos de dois ou mais anos com predominância de cheias ou secas. E este ano a região pantaneira pode começar novo ciclo de estiagem.Durante as cheias dos anos de 98, 99 e 2000, o nível do rio Paraguai oscilou entre 4m e 4m99cm. Atualmente o nível do rio Paraguai está em 2m40cm, oscilando cerca de 2 centímetros por dia, marcas que vêm confirmando diariamente a chegada da forte seca. Oscilações prolongadas abaixo de 4m são indícios de estiagem. Essas medições são feitas diariamente pelo Sexto Distrito Naval da Marinha, em Ladário, cidade vizinha a Corumbá. Como o Pantanal já está na época da estiagem, a tendência é que a água baixe ainda mais. Galdino adiantou que "este ano é grande a probabilidade de o rio registrar na régua de Ladário nível entre meio a 1 metro". Os demais pesquisadores da Embrapa Pantanal não descartam a possibilidade de o nível rio Paraguai ficar até abaixo de meio metro, o que poderá acontecer entre outubro e dezembro deste ano.O período de 1975 a 2000, é considerado por Sérgio Galdino "o mais longo de cheia pantaneira do século passado". Sobre o ano 2002 disse que "ainda não há como prever o que acontecerá ano que vem porque tudo vai depender das chuvas". Entretanto sustenta que a estiagem pode se repetir em 2002, mas só vai se confirmar se as chuvas de outubro a março do ano que vem, não conseguirem repor as águas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.