Panelaços são registrados no País durante fala de Temer

Panelaços são registrados no País durante fala de Temer

Discurso do presidente em defesa contra as acusações dos delatores da JBS durou pouco mais de dez minutos; na capital paulistana, ao menos, oito bairros tiveram panelaços

Gilberto Amendola, O Estado de S.Paulo

20 de maio de 2017 | 15h33

Foram registrados panelaços em diversas cidades do País durante o pronunciamento do Presidente Michel Temer. Às 15h deste sábado foram ouvidas as primeiras manifestações. Em São Paulo, os bairros como Pompéia, Perdizes, Pinheiros, Consolação, Bela Vista, Liberdade, Moema e Vila Buarque apresentaram o maior números de registros de panelaço.

O panelaço também ocorreu no Centro do Rio de Janeiro, em bairros de Porto Alegre, em Brasília, em Aracaju e Salvador. Em Santos e São Vicente  foram registradas muitas manifestações.         

Antes mesmo do depoimento do ex-presidente, usuários do Twitter já "cobravam" a realização de panelaços - já que a prática foi muito comum durante o impeachment da presidente cassada Dilma Rousseff. A internauta escreveu: "Cadê o panelaço no pronunciamento do embuste do Temer? Ah é, o problema do Brasil é só Lula e Dilma, o resto não precisa fazer panelaço?".

Tão logo as panelas se fizeram ouvir, outros usuários do Twitter se manifestaram. Erivelto Trygon escreveu: "Panelaço comendo solto. Esse sujeito que Temer agora execra, tinha livre ingresso no Palácio. O povo cansou de ser besta!". Outra usuária do Twitter comentou: "Eu acho que ele queria testar pra ver se ia ter panelaço e descobrir em que terreno ta pisando".

O presidente fez o pronunciamento neste sábado para se defender das acusações da Procuradoria-Geral da República de corrupção, obstrução de justiça e participação de organização criminosa. Após a divulgação de gravações e da delação do dono da JBS, nesta semana, o pedido de inquérito foi autorizado ontem pelo ministro do STF Edson Fachin, relator da Lava Jato, para investigar Michel Temer.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.