Palocci sai da quarentena, mas mantém silêncio

Termina na quinta-feira a quarentena de 120 dias imposta ao ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci Filho. Demitido pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 27 de março, após uma série de escândalos que culminou com a quebra e o vazamento do sigilo bancário do ex-caseiro Francenildo Costa, Palocci não poderia se manifestar sobre qualquer assunto econômico. Teoricamente ele teria acesso a informações privilegiadas no cargo. Durante esse período, Palocci fez apenas palestras para grupos restritos de empresários e executivos sobre gripe aviária e quem as assistiu garante que o ex-ministro manteve-se restrito ao tema.Mesmo sendo candidato a deputado federal por São Paulo, o silêncio permanece. Segundo a assessoria de imprensa, Palocci segue residindo em Brasília (DF) e sua estratégia de campanha, bem como a definição de aparições públicas, ainda estão sendo decididas.A assessoria informou ainda que não há previsão para entrevistas e que qualquer informação sobre a campanha e sobre o ex-ministro será dada oportunamente por meio de uma nota oficial.Anteriormente, a mesma assessoria informou que Palocci terá dois comitês em São Paulo, um na capital paulista, outro em Ribeirão Preto, cidade a qual governou entre 1993 e 1996 e de 2001 a 2002, quando deixou o cargo para assumir o Ministério da Fazenda.Apesar de também não serem revelados os locais dos comitês, na cidade do interior paulista o comentário é de que ele será em um imóvel no cruzamento da rua Olavo Bilac com a Nova de Julho, um dos locais de maior movimento de Ribeirão Preto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.