Palocci responde críticas de Jobim à Lei de Responsabilidade Fiscal

'Foi um erro cometido, mas pagamos o nosso erro com a excelente gestão fiscal que fizemos no nosso governo', disse o ex-ministro da Fazenda

Renato Andrade - Agência Estado

04 Maio 2010 | 13h35

O ex-ministro da Fazenda, Antonio Palocci (PT-SP), respondeu há pouco às críticas feitas nesta terça-feira, 4, pelo ministro da Defesa, Nelson Jobim (PMDB-RS), em, relação a postura adotada pela bancada do PT, em 2000, contra a aprovação da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). "Foi um erro cometido, mas pagamos o nosso erro com a excelente gestão fiscal que fizemos no nosso governo", disse Palocci, durante apresentação no seminário sobre os 10 anos de vigência da LRF.

 

Veja também:

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gif Após lançar críticas ao PT, Jobim diz que não falou nada demais

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gif Álvaro Dias sugere acordo entre partidos para sepultar Adin contra Lei Fiscal

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gif Segundo Gilmar Mendes, 'LRF faz o Brasil diferente de muitos países'

 

O ex-ministro e atual deputado federal afirmou ser contrário a modificações na legislação. "Temos que melhorar a qualidade da política (fiscal) e não mudar de legislação, já que há riscos de mudar para pior", disse. Segundo ele, existe uma série de projetos de lei no Congresso Nacional, prevendo alterações na LRF e que, apesar das "boas intenções", as aprovações dos mesmos poderiam acabar com o Tesouro Nacional.

 

Em evento para celebrar os 10 anos da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), Jobim não poupou críticas ao comportamento do PT durante o processo. Segundo ele, o PT foi contra o conteúdo do texto enviado ao Congresso, bem como o ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci. "O PT foi contra o texto, Palocci também foi. Está vendo como é bom ter memória?", indagou. De acordo com o ministro, é importante rever os erros do passado no presente para que não se cometam os mesmos erros no futuro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.