Palocci passou a atrapalhar a vida do País, diz Paulinho

Presidente da Força Sindical, aliada do governo, pede a saída do ministro chefe da Casa Civil

Evandro Fadel, de O Estado de S. Paulo

06 de junho de 2011 | 16h14

O presidente da Força Sindical, deputado federal Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), o Paulinho, disse hoje, em Curitiba, que o ministro-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci, "passou a atrapalhar a vida do País". Em razão disso, a entidade resolveu elaborar uma nota, em reunião na manhã desta segunda, pedindo o afastamento dele do cargo. "Temos percebido que o governo está meio paralisado e o Congresso Nacional praticamente paralisou e só ficam uns defendendo o Palocci e outros atacando", afirmou.

Veja também:

linkForça Sindical pede afastamento de Palocci

Para Paulinho, Palocci deveria tomar a mesma atitude do ex-ministro-chefe da Casa Civil do governo Itamar Franco (1992-1994), Henrique Hargreaves, que, em razão de denúncias de irregularidades, afastou-se, voltando após provada a inocência dele. "É melhor para o Brasil ele se afastar, se explicar fora do governo, para que o País possa continuar crescendo", disse. De acordo com o deputado, Palocci vive uma "situação difícil". "Ele errou, primeiro porque deveria ter dado entrevista coletiva, segundo porque demorou muito para esclarecer, e não explicou nada", reforçou Paulinho. "Do nosso ponto de vista, isso só complicou."

Pessoalmente, o presidente da Força Sindical disse que não ficou convencido da inocência de Palocci. "Não entendo como alguém compra um apartamento de R$ 6,6 milhões, não entendo como alguém enriquece tão rápido", afirmou.

Para ele, o ministro não pode ficar na dependência do procurador-geral da República, Roberto Gurgel. "E se o procurador resolve que vai investigar? Para o bem do País e até dele, para parar essa onda, ele deveria se afastar", sugeriu. Segundo Paulinho, a nota foi resultado de unanimidade entre os 40 membros da executiva da Força Sindical e de 27 presidentes estaduais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.