Palocci nega recuo nas negociações sobre CPMF

O deputado federal Antonio Palocci (PT-SP) afirmou hoje que não houve recuo em relação às negociações sobre a prorrogação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). Segundo ele, o que está havendo é um trabalho de diálogo sobre quais são as desonerações que vão produzir os melhores efeitos para a economia. "A possibilidade de se reduzir a CPMF é tão valorosa quanto a de desonerar a folha de pagamentos. Esse é o diálogo que interessa ao País. Vamos buscar o melhor caminho", disse Palocci, relator da proposta na Câmara que prorroga a CPMF. O deputado participou da reunião de líderes com o ministro da Fazenda Guido Mantega, na qual ficou decidido que a base aliada vai trabalhar para manter a CPMF em 0,38%, sem promover reduções progressivas nos próximos anos, como havia sido acenado por Palocci aos parlamentares da base aliada.Palocci destacou a importância da CPMF para o equilíbrio das contas públicas, mas ressaltou que o crescimento da economia brasileira cria um ambiente que permite novas desonerações. Ele acredita ainda que a oposição tem preocupação com esse equilíbrio e terá responsabilidade na hora de votar o imposto.O deputado petista voltou a dizer que é contra a partilha da CPMF com Estados e municípios e que o tributo é de boa qualidade, mas que é melhor alíquotas mais baixas por conta do impacto no crédito. Para Palocci, novas desonerações tributárias deverão contribuir na ampliação da capacidade de crescimento da economia do País.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.