Palocci ganha todos os embates no STF e STJ

Antes de assumir a pasta, Palocci se livrou de última pendência jurídica sobre sua gestão em Ribeirão: Fux arquivou caso no STJ

Felipe Recondo, de O Estado de S. Paulo

16 de maio de 2011 | 23h00

BRASÍLIA - Um mês antes de assumir a Casa Civil, Antonio Palocci viu o último processo judicial contra ele em Brasília ser arquivado. Palocci havia sido condenado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo a devolver à prefeitura de Ribeirão Preto R$ 6,5 mil, valor gasto com uma propaganda que teria por finalidade, no entendimento do TJ, sua promoção pessoal.

 

Veja também:

linkOposição cobra explicações na Procuradoria-Geral

linkEm nota, ministro explica aumento de patrimônio

especialESPECIAL: Os altos e baixos de Antonio Palocci

Inicialmente, Palocci tentou derrubar a decisão no STJ. Na primeira tentativa não obteve sucesso. O relator do processo, ministro Luiz Fux, que mais tarde seria indicado para o Supremo com o apoio de Palocci, negou o recurso. Na segunda tentativa, Fux reconsiderou a primeira decisão e arquivou monocraticamente (isso significa que ele não submeteu a decisão ao colegiado) o recurso, restabelecendo a decisão da primeira instância, em que Palocci fora absolvido.

 

No Supremo, Palocci não responde mais a nenhum inquérito e não está sendo investigado. Nos últimos anos, uma lista de processos contra Palocci foi gradativamente sendo esvaziada no STF. Em 2009, os ministros rejeitaram o pedido de abertura de ação penal contra Palocci por crimes supostamente cometidos em contratos de limpeza urbana entre a prefeitura de Ribeirão Preto e a empresa Leão Leão.

 

Caseiro. Em agosto de 2009, o mais polêmico dos casos envolvendo o ministro foi arquivado pelo Supremo Tribunal Federal: por cinco votos a quatro os ministros rejeitaram a denúncia do Ministério Público de que Palocci, então como ministro da Fazenda, teve envolvimento na violação do sigilo bancário e vazamento dos dados da conta do caseiro Francenildo dos Santos Costa. Na ocasião, apenas o então presidente da Caixa Econômica Federal Jorge Mattoso responde pelo caso. O assessor de imprensa de Palocci no ministério Marcelo Netto também se livrou da denúncia do MP.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.