Palocci diz a petistas que não há margem para elevar mínimo

O ministro da Fazenda, Antonio Palocci, afirmou a deputados petistas que não há margem para aumentar o valor do salário mínimo, definido pelo governo em R$ 260,00. A declaração de Palocci foi feita durante almoço no Ministério da Fazenda com um grupo de oito deputados do PT. O líder do partido na Câmara, Arlindo Chinaglia (SP), relatou ao ministro que percebeu, em reunião da bancada, que a maioria apóia a proposta do governo, mas que há um temor dos deputados de se repetir o que já aconteceu em outras ocasiões: a Câmara aprova a proposta como o governo quer, mas, no Senado, o próprio governo recua e faz concessões. "Admito até que o resultado não tenha sido o melhor. Fizemos várias reuniões para saber se podíamos aumentar o valor, mas não há margem para isso", afirmou Palocci, segundo relato de deputados. Parlamentares do próprio PT e de partidos aliados apresentaram emendas à medida provisória enviada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao Congresso aumentando o valor do mínimo. O relator da MP, deputado Rodrigo Maia (PFL-RJ), deverá fixar, em seu parecer, o valor do mínimo em R$ 275,00. Deputados que se reuniram com Palocci admitem que, caso o Congresso altere o valor do mínimo fixado pelo governo, a saída será o presidente vetar esse aumento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.