André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Palestra sobre corrupção e Lava Jato rendem R$ 219 mil a Deltan Dallagnol

Nesta semana, corregedoria do MP instaurou procedimento para investigar eventos remunerados; procurador afirma que doa os recursos e que não há irregularidade

Altamiro Silva Junior, O Estado de S.Paulo

23 de junho de 2017 | 11h05

O coordenador da força-tarefa da Lava Jato e procurador do Ministério Público Federal, Deltan Dallagnol, recebeu R$ 219 mil em 2016 em 12 palestras feitas para falar da corrupção e da história da operação. Em conversa com jornalista ele afirmou que doa os recursos para um hospital na Paraná que cuida de crianças com câncer.

O procurador foi questionado pelos jornalistas sobre suas palestras porque, nesta semana, a Corregedoria Nacional do Ministério Público instaurou um procedimento para investigar estes eventos remunerados. Dallagnol declarou que este é um procedimento padrão, que deve ser arquivado pela falta de qualquer irregularidade nos eventos que faz.

A atividade docente, disse ele, é autorizada pela Constituição, por resoluções do Conselho Nacional do Ministério Público e pelo Conselho Nacional de Justiça. As palestras são reconhecidas como "atividade docente" por uma resolução do CNJ. "A atividade de dar palestras é legal, lícita e privada."

Dallagnol fez sua maior palestra em evento na noite desta quinta-feira, 22, em São Paulo, da XP Investimentos, que reuniu 5 mil pessoas. O procurador, ovacionado pelos presentes, que o aplaudiram de pé, disse que o interesse por suas declarações vem da identificação das pessoas com a causa, o combate à corrupção. "Recursos públicos são desviados pela corrupção e geram mal estar."

Perguntado sobre quanto recebeu pela palestra de quinta-feira, Dallagnol disse que não poderia informar por não falar de casos específicos, que no geral possuem contrato de confidencialidade. "Não posso expor o contratante", disse ele, ressaltando que os valores serão divulgados em 2018, quando saírem os números totais recebidos este ano. O ingresso para o evento da XP, que começou ontem e termina no sábado em São Paulo, custa R$ 800 e vai reunir nomes como o prefeito de São Paulo, João Doria, e o ex-presidente do Itaú, Roberto Setubal.

Dallagnol rebateu críticas de alguns partidos, de que estaria enriquecendo com a repercussão da Operação Lava Jato e mencionando pessoas investigadas em suas declarações. "Nas minhas palestras não trato de casos específicos, trato de corrupção. Não faço menções específicas a corruptos."

"Por decisão própria, em 2016 eu decidi destinar todos os valores que seriam recebidos com palestras para uma entidade filantrópica", afirmou o procurador, citando o hospital no Paraná. Segundo ele, foi autorizado que o hospital preste informações sobre os valores recebidos. As próprias entidades que bancaram as palestras repassaram os recursos aos hospitais, sem passar por Dallagnol.

No evento desta quinta, o procurador afirmou que a corrupção rouba a estabilidade política de um país, afasta investidores e gera descrença nas instituições. "Em país corrupto, grandes campeões nacionais largaram na frente porque pagaram propina", afirmou o procurador, sem citar nomes.

Dallagnol mencionou estimativas de que a corrupção desvia no Brasil ao redor de R$ 200 bilhões por ano. "A corrupção gera danos qualitativos e quantitativos", observou.

Tudo o que sabemos sobre:
Operação Lava JatoDeltan Dallagnol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.