Palco cede e Yeda quase cai em inauguração

Governadora vem tentando emplacar agenda positiva para neutralizar série de denúncias de corrupção

Elder Ogliari, O Estadao de S.Paulo

23 de maio de 2009 | 00h00

A governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius (PSDB), tomou um susto ontem em pleno ato da agenda positiva que tenta construir com visitas e inaugurações de obras. Desta vez não foi uma denúncia de irregularidade, pedido de impeachment ou tentativa de criar uma Comissão Parlamentar de Inquérito, como a oposição tem feito nas últimas semanas, mas um quase acidente. A tucana estava discursando na cerimônia de inauguração de uma rodovia estadual em São Valentim, no norte do Estado, quando as tábuas do palanque cederam. Embora perdesse o equilíbrio, Yeda não chegou a cair. Amparada, a governadora saiu do palco no colo de um policial militar e retomou o discurso em terra firme. Prometeu seguir inaugurando estradas desde que nenhuma "hecatombe" aconteça.Como está conseguindo fazer investimentos com recursos do próprio Tesouro estadual, depois de três décadas de déficits orçamentários, o governo gaúcho vem apostando na exibição de suas obras, sobretudo no interior, como antídoto à série de notícias negativas das últimas semanas. O início da construção de dezenas de acessos asfaltados a pequenos municípios e as transferências pontuais de repasses aumentaram a aceitação da administração entre os prefeitos. Por conta disso, alguns deles chegaram a pedir a deputados que evitassem a CPI que a oposição tenta criar, alegando que a investigação paralisaria o Estado.Por enquanto, o requerimento para criação da CPI tem 16 das 19 assinaturas necessárias. A 17ª, do deputado Paulo Azeredo (PDT) é certa, mas os defensores da proposta têm dificuldade para garimpar mais adesões. Três deputados que admitiriam assinar entendem que os fatos apontados até agora são insuficientes para a abertura da comissão. Os demais são contrários. Yeda é suspeita de ter usado recursos de caixa dois da campanha de 2006 para pagar parte de um imóvel de sua propriedade.Em Porto Alegre, a estátua do Laçador, símbolo da cidade e um dos monumentos mais conhecidos do Estado, amanheceu coberta por um pano vermelho sobre o qual estavam inscritas as palavras "impeachment já". A peça foi retirada pela Brigada Militar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.