Palanques duplos podem ser a senha para armistício

Apesar das crises que se desenham em Estados como Bahia, Rio e Rio Grande do Sul, os peemedebistas manobram para salvar a aliança com o PT em outros locais – seja com a construção de uma candidatura única ou com a montagem de um palanque duplo na base da presidente Dilma Rousseff.

Bruno Boghossian e Julia Duailibi,

31 de maio de 2013 | 22h53

Onde houver disputas entre PT e PMDB, o objetivo é evitar que a divisão local "contamine" a reeleição de Dilma. "Eu vejo com naturalidade as disputas regionais, mas trabalhamos para que elas não contaminem a aliança presidencial e a própria base parlamentar do governo federal", diz o senador Romero Jucá (PMDB-RR), que pode disputar o governo de Roraima contra a petista Ângela Portela, em ambiente favorável para Dilma.

Em Minas, a tendência é que a aliança PT-PMDB seja mantida, em chapa encabeçada pelo ministro Fernando Pimentel (Desenvolvimento). O senador Clésio Andrade (PMDB-MG) defende candidatura própria do partido, com dois palanques para Dilma.

Em Goiás, há expectativa de apoio do PT ao candidato do PMDB, o ex-governador Iris Rezende, ou ao empresário José Batista Júnior, um dos donos do grupo JBS/Friboi. "O acordo no Estado foi o de apoiar o PT em 2012 em cidades como Goiânia e Anápolis em troca do apoio ao governo do Estado em 2014", declarou o deputado Sandro Mabel (PMDB-GO). Também em Mato Grosso a tendência é que a dobradinha seja reeditada. "A aliança está bem encaminhada pela cúpula dos dois partidos", disse o deputado Carlos Bezerra (PMDB-MT).

No Maranhão, a situação está pacificada. "Faremos um palanque único para Dilma", disse o senador Lobão Filho (PMDB-MA). Peemedebistas também acreditam que Dilma terá espaço nos palanques da sigla no Acre, em Alagoas, no Amazonas e em Sergipe.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.