Países do Cone Sul buscam articulação para combater crimes de fronteira

Contrabando será um dos temas a ser debatido em encontro entre Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai, Bolívia e Chile, no Itamaraty

Lu Aiko Otta, O Estado de S.Paulo

14 de novembro de 2016 | 22h06

BRASÍLIA - Prioridade do governo de Michel Temer, o combate ao crime nas fronteiras será discutido nesta quarta-feira, 16, em uma reunião de ministros dos países do Cone Sul: Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai, Bolívia e Chile. O encontro será no Palácio do Itamaraty, que sediou no dia 28 de outubro passado uma reunião entre os chefes dos Três Poderes no Brasil para tratar desse mesmo tema.

“É uma iniciativa, por sua conformação, inédita”, comentou o subsecretário geral de Assuntos Políticos Multilaterais, Europa e América do Norte do Ministério das Relações Exteriores, embaixador Fernando Simas Magalhães. “O foco é a maior integração entre órgãos responsáveis pela segurança pública.” Os temas prioritários serão o combate ao contrabando e a segurança pública, principalmente o tráfico de armas e drogas.

A expectativa é de que saiam do encontro propostas concretas. “As pessoas participantes são das áreas operativas”, disse o diretor do Departamento de Assuntos de Defesa e Segurança do Ministério das Relações Exteriores, embaixador Nelson Antonio Tabajara de Oliveira. “A cooperação poderá gerar dinâmica melhor no combate a ilícitos na fronteira.”

O contrabando, que tem gerado perdas significativas de receitas ao Brasil, será tema de uma apresentação elaborada pela Receita Federal. O comércio ilegal de cigarros fabricados no Paraguai é apontado em estudos feitos por fabricantes nacionais do produto como uma fonte importante de financiamento aos crimes de fronteira. “Nenhum tema foi excluído da reunião”, disse Simas Magalhães. “Temos de ter em primeiro lugar a disposição de ouvi-los, de saber como vão trabalhar conosco.” Um dos pontos da pauta da reunião é a elaboração de diagnósticos comuns sobre os crimes na fronteira, observou o embaixador Tabajara.

É possível que, durante o evento, seja anunciado o Plano Estratégico de Fronteiras do governo brasileiro. O decreto contendo suas linhas já está pronto, segundo informou o embaixador Simas Magalhães.

Pelo lado brasileiro, participarão da reunião os ministros das Relações Exteriores, José Serra, da Defesa, Raul Jugmann, da Justiça, Alexandre de Moraes, e o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, Sérgio Etchegoyen.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.