País está pronto para governo de uma mulher, diz Marina

"O Brasil está pronto para ter a primeira mulher na Presidência da República", afirmou hoje a senadora Marina Silva, em sua primeira entrevista coletiva após a convenção do Partido Verde (PV) que definiu sua candidatura à Presidência. Durante a coletiva, Marina lamentou não ter conseguido uma aliança com o PSOL e disse que dificilmente o partido fechará acordo com outros partidos na chapa presidencial. "No projeto nacional, nossa aliança é com o povo, não temos coligação com nenhum partido. Nos Estados, há algumas especificidades. No Acre, por exemplo, nós apoiamos o senador Tião Viana, candidato ao governo pelo PT", afirmou a senadora.

RICARDO RODRIGUES, Agência Estado

11 de junho de 2010 | 20h21

Marina defendeu ainda a candidatura de Heloísa Helena, atualmente vereadora em Maceió, ao Senado, pelo PSOL. "Eu tenho uma amizade muito grande com a Heloísa e quero que ela volte para o Senado. Para os brasileiros, será um orgulho ter Heloísa como senadora", afirmou. A presidenciável também avaliou como muito positivo, neste começo de campanha, os 12% que conseguiu nas pesquisas de intenção de votos.

Questionada sobre os recursos para sua campanha, estimados em R$ 90 milhões, Marina disse que eles são escassos em relação os dos adversários. Mesmo assim, ela disse que sua campanha terá uma lógica franciscana: ''muitos contribuindo com poucos''. Marina Silva disse que, se eleita, vai manter o programa Bolsa Família, mas "atrelado a programas que desenvolvam as potencialidades dos beneficiados, com um olhar forte para educação, capacitação e treinamento". "Lula e Fernando Henrique Cardoso garantiram 100% de acessibilidade das crianças ao ensino fundamental, mas só 40% delas chegam à oitava série. Temos que otimizar e dar continuidade a essas políticas educacionais", defendeu. Após a coletiva, Marina recebeu o título de cidadã honorária de Maceió.

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçãoMarinamulhergovernocampanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.