José Luis da Conceição/AE
José Luis da Conceição/AE

País é maduro para combinar 'Estado e setor privado', diz Dilma

'O Estado tem que ter uma presença clara na economia', defendeu a ministra-chefe da Casa Civil

Sandra Hahn, da Agência Estado,

05 Fevereiro 2010 | 18h58

A ministra-chefe da Casa Civil e pré-candidata do PT às eleições presidenciais deste ano, Dilma Rousseff, disse nesta sexta-feira, 5, que o Estado brasileiro não vive a fase antiga do estatismo da década de 1950 e nem a neoliberal, ao ser questionada, em entrevista, sobre a possível tendência de o PT elaborar um programa de cunho mais estatizante para a disputa da sucessão presidencial. "O Estado tem que ter uma presença clara na economia", defendeu a ministra, ao citar exemplos de programas com subsídio público para populações de baixa renda.

 

Veja também:

linkPlano de governo do PT para Dilma reforça papel do Estado na economia

linkPartido quer governo movido a conferências

link'Carta aos Brasileiros' mostrou face moderada

 

Ela também voltou a mencionar a crise financeira internacional para exemplificar que a atuação do Estado forneceu "armas" ao seu enfrentamento e concluiu que o País está maduro para combinar a presença estatal com parceiros privados. "O Brasil está maduro para ter uma combinação boa entre o Estado necessário e o setor privado", apontou após participar, junto com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, da inauguração da Ceitec, empresa produtora de semicondutores.

 

Em discurso no evento, Lula aproveitou para destacar o fato de a Ceitec ser uma estatal, que recebeu R$ 400 milhões em investimentos do governo. "Não queremos estatizar por estatizar", disse Lula, antes de citar projetos em parceria com o setor privado. Ele defendeu, contudo, a presença do Estado para garantir que todos tenham acesso à conexão por banda larga.

 

O presidente explicou que o projeto do governo para o setor está quase acabado, mas será discutido com a sociedade. Lula contou que serão ouvidos, ainda, representantes da sociedade civil, empresários e proprietários de lan house para apresentar contribuições. O presidente também brincou com a finalidade das estatais, ao dizer que "tudo tem que ser superavitário, numa referência ao fato de que elas também precisam apresentar lucro."

Mais conteúdo sobre:
BrasilEstadoprivadoDilmaLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.