País acumula derrotas em organizações

Desde o início da gestão Luiz Inácio Lula da Silva, o governo praticamente só acumulou derrotas em eleições para organismos internacionais.Uma das principais ocorreu em 2005, quando o Brasil tentou eleger o diplomata Luís Felipe de Seixas Correa para a direção da Organização Mundial do Comércio (OMC). Seixas Correa foi o primeiro a ser eliminado em um processo que acabou elegendo o francês Pascal Lamy.Na União Internacional de Telecomunicações, em 2007, o brasileiro Roberto Blois teve o mesmo destino. Na Organização Mundial de Propriedade Intelectual (OMPI), a vítima foi José Graça Aranha, que perdeu por apenas um voto para um candidato da Austrália. O Brasil ainda tentou colocar João Sayad no Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Acabou derrotado por um candidato colombiano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.