Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

Painel pró-impeachment causa confusão e Cunha manda retirá-lo

Representantes de movimentos de rua pró-afastamento da petista, funcionários da Câmara e deputados petistas entraram em confronto; ato Mesa Diretora da Casa proíbe afixação de banners no Salão Verde

Igor Gadelha, O Estado de S. Paulo

04 Novembro 2015 | 18h57

Brasília - O painel pró-impeachment da presidente Dilma Rousseff instalado pela oposição no Salão Verde da Câmara dos Deputados nesta quarta-feira provocou confusão entre representantes de movimentos de rua pró-afastamento da petista, funcionários da Câmara e deputados petistas. A confusão terminou com um funcionário da liderança do PT detido e denúncias de agressões física e verbal. 

Tudo começou quando a deputada Moema Gramacho (PT-BA) tentou impedir que manifestantes pró-impeachment colocassem cadeiras em frente ao painel para evitar a retirada do objeto. A petista pediu a retirada do painel, embasada em ato da Mesa Diretora de 15 de dezembro de 2010 proibindo a "afixação de banners" no Salão Verde, "salvo em solenidades especiais ou na visitação aos fins de semana".

"Fui ao gabinete do presidente Eduardo Cunha e pedi que ele cumprisse o ato da Mesa Diretora. Ele falou que ia mandar a Polícia Legislativa tirar", afirmou Moema. "Mas eles (manifestantes pró-impeachment acampados no Salão Verde) botaram cadeiras na frente para evitar a retirada. Quando eu tentava impedir, me empurraram", contou a petista.

No meio da confusão, um funcionário da liderança do PT cujo nome não foi divulgado, teve voz de prisão dada pelo deputado Alexandre Leite (DEM-SP). "Vi ele puxando a faixa e dei voz de prisão", afirmou o democrata. O funcionário foi levado pela Polícia Legislativa. Oposição e manifestantes pró-impeachment alegam que o funcionário estava tentando rasgar a faixa.

Sindicância. O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), informou que vai instaurar sindicância para apurar a confusão. Segundo ele, as imagens das câmeras de segurança da Casa vão ser analisadas e quem cometeu qualquer irregularidade será punido. O peemedebista confirmou a conversa com a deputada Moema Gramacho e disse que já tinha pedido à Polícia Legislativa para retirar o painel.

Após a ordem do presidente da Câmara, manifestantes desmontaram a estrutura do painel. "Vamos guardar a faixa e passar de gabinete em gabinete pegando as assinaturas (de apoio ao impeacment)", disse a líder do movimento "Nas Ruas", a advogada Carla Zambelli. Ela e outros manifestantes pró-impeachment estão acampados há uma semana no Salão Verde. Parte do grupo fica algemada a uma coluna.

Mais conteúdo sobre:
Brasília Dilma Rousseff PT Eduardo Cunha Casa

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.