Paim repete gesto e rasga pedido de cassação

O deputado federal Paulo Paim (PT-RS) repetiu na noite de quinta-feira, no Aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre, o gesto que teve no plenário da Câmara, quando rasgou a Constituição federal para protestar contra as alterações na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Desta vez, o petista rasgou - em meio a sindicalistas e correligionários que o receberam como herói - a representação do deputado Inocêncio de Oliveira (PFL-BA) pedindo sua cassação."Não importa o número de processos, eles não vão nos calar", afirmou o parlamentar, sendo aplaudido pela comitiva de recepção. Paim é acusado de ter quebrado o decoro ao rasgar a Constituição e jogá-la contra um colega, mas dificilmente será cassado por essa atitude. A punição mais provável para esse caso seria a suspensão das prerrogativas regimentais ou uma advertência.Apesar das críticas dos colegas, o deputado petista foi defendido pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio Mello, para quem o protesto teve uma conotação de respeito à Constituição e não o contrário. "Fiz aquilo para mostrar que são eles, os deputados da bancada governista, que querem rasgar a Constituição e os direitos dos trabalhadores expressos na CLT", disse Paim.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.