Paim diz que mínimo de R$ 260 pode ser rejeitado no Senado

O vice-presidente do Senado, Paulo Paim (PT-RS), advertiu, em discurso da tribuna, que se a medida provisória que fixou em R$ 260,00 o salário mínimo for aprovada na Câmara dos Deputados, "corre sério risco" de ser rejeitada pelos senadores. Segundo Paim, isso ficou claro na reunião da bancada de 14 senadores do PT, realizada na manhã de hoje, quando cinco parlamentares, inclusive ele, declararam formalmente que não têm condições de aprovar um salário mínimo no valor de R$ 260,00. "Faço um alerta aos companheiros da Câmara de que, a bancada (petista) do Senado, não fechou questão em relação à aprovação do salário mínimo como está sendo dito. Muito pelo contrário", afirmou Paim. "Me surpreendeu o número de senadores que garantiram que não votarão o mínimo de R$ 260,00". Na avaliação de Paim, é estranho o governo alegar que não tem recursos para pagar um mínimo maior e, ao mesmo tempo, garantir o pagamento de R$ 27,50 para compensar a falta de correção na tabela do Imposto de Renda para quem ganha acima de R$ 2.500,00. Paim sugere que o governo transfira para janeiro a compensação no Imposto de Renda e utilize agora esse dinheiro para aumentar o valor do mínimo para R$ 280,00.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.