Paim diz que mínimo de R$ 260 é insustentável

O senador Paulo Paim (PT-RS) disse hoje que o salário mínimo de R$ 260, proposto pelo governo, é "insustentável" e que não tem como acompanhar a posição tomada hoje pela bancada do PT, que fechou questão em favor da medida provisória do mínimo. Em reunião nesta manhã, Paulo Paim disse aos demais senadores que essa era uma questão de convicção e que vai trabalhar pela aprovação de um salário mínimo maior. Ele defende um mínimo de R$ 300. "O governo sabe que é impossível convencer alguém a votar em sã consciência os R$ 260", disse. Depois da reunião da bancada com o presidente do PT, José Genoíno, Paim teve um encontro separado com a líder do partido, senadora Ideli Salvati (SC). Também participou do encontro o senador Flávio Arns (PR), que, assim como Paim, é contra o mínimo de R$ 260. "A gente demonstrou que não tem como acompanhar a bancada e a líder entendeu", disse Paim. Se o Senado aprovar um valor superior a R$ 260, alterando a MP, a proposta terá de ser submetida novamente à Câmara, antes de ser sancionada. Na avaliação de Paím, se o Senado alterar a MP e a Câmara aprová-la, o presidente não vetará uma decisão do Legislativo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.