Paim aconselha quem está para se aposentar a apressar o pedido

O senador Paulo Paim (PT/RS)aconselhou quem está prestes a se aposentar a apressar o pedido do benefício para evitar eventuais perdas que a reforma previdenciária venha a impor aos assalariados. "Pelo que se colocou até o momento, não vejo como a reforma possa melhorar alguma coisa para quem está se aposentando ou vai se aposentar", justificou em diversas entrevistas concedidas nesta segunda-feira. A manifestação do senador foi provocada por um ouvinte da Rádio Gaúcha, que pediu um conselho sobre o momento adequado de requerer o benefício. A repercussão fez com que Paim, que estava em seu gabinete, em Brasília, passasse boa parte da tarde explicando sua posição aos jornalistas.O senador destacou que sua preocupação nasce de exemplos históricos, no Brasil e no exterior. "Nunca vi reforma para ampliar os direitos dos trabalhadores", lamentou. O senador também admitiu estar "um pouco constrangido" com os rumos que as reformas estão tomando e com o novo discurso do governo federal. "A linha tomada contraria tudo o que pregamos em 17 anos de Congresso, pelo menos na questão da reforma previdenciária", afirmou.Dizendo-se disposto a manter uma postura coerente, o senador chegou a admitir que pode até votar contra o projeto do governo de reforma da Previdência, sem ter medo das ameaças de expulsão do partido. "Eu ajo de acordo com a minha consciência", reiterou, lembrando que quer trabalhar com o governo que ajudou a eleger. Mas sem abdicar do direito à expressão. "Eu quero debate, para que vença quem tem melhores argumentos."No final de semana, em Porto Alegre, Paim já havia discordado do governo. "Não me peçam para votar a contribuição previdenciária dos aposentados", advertiu.Veja o índice de notícias sobre as reformas

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.