Paiakan deve cumprir pena em Marabá

O sistema penal do Pará já preparou a Penitenciária Mariano Antunes, em Marabá, no sul do Estado, para receber o cacique Paulinho Paiakan, condenado a seis anos pelo estupro da estudante Silvia Letícia. Ele terá cela exclusiva e vai trabalhar na área agrícola da cadeia, plantando milho, arroz e feijão. O superintendente do Sistema Penal do Pará, José Alyrio Sabbá, é quem está cuidando dos detalhes para receber o cacique tão logo ele se apresente à Justiça ou seja preso pela Polícia Federal. Mas Paiakan já avisou: não se entrega. Refugiado na aldeia Aukre, entre os municípios de Redenção e São Félix do Xingu, o cacique conta com a proteção de 600 guerreiros caiapós. Hoje a carta precatória de prisão de Paiakan, expedida pelo juiz José Torquato Araújo de Alencar, chegou à Vara Federal de Marabá, que ordenou seu cumprimento pela Polícia Federal. O problema é que a PF não tem ainda um esquema montado para entrar na aldeia Aukre e dar voz de prisão ao cacique. Tudo depende de uma autorização do Ministério da Justiça e da Fundação Nacional do Índio (Funai). O líder dos caiapós, cacique Akioboro, foi taxativo: "Eu já disse, vou repetir e você pode escrever aí que o Paiakan não será preso por ninguém da polícia. E quem tentar entrar armado, seja na aldeia Aukre ou em qualquer outra aldeia nossa, terá de enfrentar nosso povo numa guerra. Uma coisa eu aviso: vai morrer muita polícia e índio".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.