Grupo pró-impeachment reclama de página do Facebook fora do ar na véspera de atos

Vem Pra Rua, que tem mais de 750 mil curtidas, acredita em 'ação orquestrada' e faz post em que diz haver 'censura', mas sem apontar quem seria o responsável por isso

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

12 de dezembro de 2015 | 16h43

Atualizada às 16h44

 

Na véspera da última manifestação do ano pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff, a página no Facebook do Vem Pra Rua Brasil, um dos principais grupos que estão à frente dos protestos, ficou quatro horas fora do ar, segundo o movimento. Em post publicado depois do episódio, o grupo diz acreditar em "censura".

“Isso tem a aparência de ser uma ação deliberada. O Facebook até agora não se manifestou. A minha página pessoal também foi tirada do ar”, diz o empresário Rogério Chequer, porta-voz do movimento.

Após ouvir o empresário, a reportagem pesquisou pelo Google os termos “Facebook” e “Rogério Chequer”, e o primeiro resultado da busca estava indisponível. O mesmo ocorreu no início da tarde com a pesquisa “Vem Pra Rua Brasil”, cujo primeiro resultado é a página do movimento na rede social, mas depois o conteúdo podia ser acessado normalmente.

Procurada pelo Estado, a assessoria de imprensa do Facebook disse que levantaria as informações para saber o que ocorreu com a página do Vem Pra Rua e com o perfil de Chequer.

A página de outro grupo organizador dos protestos pelo impeachment, o Movimento Brasil Livre (MBL), estava no ar normalmente neste sábado.

 

Post do Vem Pra Rua Brasil sobre o período em que a página ficou fora do ar

Depois de 4 horas fora do ar, sem nenhuma explicação razoável para isso, a página do Vem Pra Rua está de volta!Isso se...Posted by Vem Pra Rua Brasil on Sábado, 12 de dezembro de 2015

 

Os grupos pró-impeachment convocaram protestos em todos os Estados para este domingo, 13. Em São Paulo, a manifestação será realizada na Avenida Paulista, onde estarão concentrados cinco carros de som. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.