Pagamentos da Beta se referiam a despesa com carro, diz Herrmann

Em nota divulgada hoje, o deputado João Herrmann (PDT-SP) explicou que os repasses feitos por Ioannis Amerssonis, presidente da companhia aérea Beta, para sua conta bancária no Citybank referem-se ao ressarcimento de despesas com um automóvel que era dividido pelas duas famílias. Na nota, Herrmann afirmou que as duas famílias são amigas há anos e argumentou que as atividades empresariais de Ioannis "não colidem" com as suas, além de ressaltar que tem "um patrimônio pessoal acumulado desde 1969", resultado de seu trabalho e que "inibe a necessidade de receber dinheiro ou vantagens, de quem quer que se trate ou a qualquer título".Conforme informações em poder da CPI dos Correios, Herrmann recebeu depósitos mensais de R$ 3 mil da Beta de março de 2003 a março de 2005, num total de R$ 79 mil no período. A Beta vem sendo investigada por supostas irregularidades em contratos com os Correios. Por causa das denúncias, o PDT anunciou hoje a suspensão da filiação de Herrmann."Quanto à notícia que envolve meu nome a CPI, possuo farta documentação em que comprovo o ressarcimento que fazia o sr. Ioannis às despesas realizadas com o carro Volkswagen, modelo Passat, importado, blindado, placa DCA 0450, que ficava disponível para os compromissos das crianças e familiares em comum na cidade de São Paulo ou em viagens", diz a nota, que Herrmann intitulou de "nota política e pessoal".O deputado afirmou ainda que "as despesas variáveis de combustível, pedágios, estacionamento, oficina e pequena manutenção quando pagas por mim eram prestadas contas e ressarcidas pelo sr. Ioannis de forma legal, transparente, em conta bancária pessoal aberta há mais de vinte anos no banco Citibank, contabilmente registradas". Herrmann explicou também que o "veículo em questão foi afastado no início do ano passado pelo elevado custo de manutenção de um carro blindado e importado".Segundo o deputado, o carro que hoje usa é uma Toyota Hillux, ano 2005. Na nota, João Herrmann afirmou que está "à disposição para qualquer averiguação". "Desde já ofereço minhas contas bancárias para qualquer esclarecimento que se exija. Espero que afastadas as acusações dêem-me o mesmo tratamento", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.