Paes recorre a tucanos para montar equipe

Peemedebista revê discurso da campanha e indica nomes do PSDB e de ex-colaboradores de Maia

Alexandre Rodrigues, O Estadao de S.Paulo

15 de novembro de 2008 | 00h00

Eleito prefeito do Rio pelo PMDB do governador Sérgio Cabral, com a bênção do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o apoio de partidos de esquerda, Eduardo Paes monta sua futura equipe com nomes ligados ao PSDB e ex-colaboradores do atual prefeito Cesar Maia, filiado ao DEM. Após a eleição, o primeiro nome que Paes anunciou foi o de um tucano. Na lista do futuro secretariado, aparecem ainda dois ex-ministros do governo de Fernando Henrique Cardoso.Paes iniciou a carreira política com Maia e deixou o PSDB há pouco mais de um ano. Mas venceu o deputado Fernando Gabeira (PV), no segundo turno, com um discurso anti-tucano, de oposição a Maia e adesão a Lula. Com isso atraiu o apoio de partidos como PT, PC do B, PDT e PSB.Na montagem do secretariado, Paes procurou acomodar todos os aliados, com uma lista de nomes bastante heterogênea. Chama a atenção, porém, a presença de ícones do ideário tucano, como a ex-ministra da Administração de Fernando Henrique, Cláudia Costin. Ex-secretária de Cultura do governo de Geraldo Alckmin em São Paulo, Cláudia cuidará da Educação no governo de Paes. A qualificação de ex-ministro de FHC também figura no currículo de Paulo Jobim, indicado pelo senador Francisco Dornelles (PP) para a Administração.Futuro secretário da Casa Civil, o deputado estadual tucano Pedro Paulo Carvalho foi o primeiro nome definido pelo prefeito eleito. Antônio Pedro Figueira de Melo, o nomeado mais recente, também vem do ninho tucano. Ele ganha a Secretaria de Turismo poucos meses depois de deixar o PSDB.Eles dividirão a sala de reuniões do novo prefeito com nomes provenientes da esquerda, como Jandira Feghali (PC do B), que assume a Cultura; e o petista Jorge Bittar, que troca a Câmara dos Deputados pela Secretaria de Habitação. Os indicados pelos partidos da base de Lula também terão como colegas ex-integrantes do governo de Maia. Ruy Cezar, principal colaborador do atual prefeito na realização dos Jogos Pan-Americanos de 2007, foi encarregado de cuidar da candidatura do Rio para sede das Olimpíadas de 2016.Quadro técnico, o futuro procurador-geral Fernando Dionísio também fez parte da equipe de Maia, dirigindo a Procuradoria da Dívida Ativa. Embora seja um nome do PMDB, o futuro secretário de Ordem Pública, Rodrigo Bethlem, repete a trajetória de Paes: começou na política como subprefeito de Maia e chegou a ser eleito vereador pelo antigo PFL."Há nomes no secretariado que, num governo do PT, não estariam ali jamais, como a Cláudia Costin", comenta Alberto Cantalice, presidente do PT fluminense. "Somos a favor da elevação do papel do Estado e essa turma é pelo Estado mínimo. Mas o governo não é nosso, é do PMDB e do Paes."Ele admite o desconforto, mas não vê no perfil do secretariado a prevalência da lógica tucana nem a a continuidade de Maia: "Quem dá o tom do governo é o prefeito."O presidente do PSDB do Rio, Luiz Paulo Corrêa da Rocha, também rejeita pontos em comum com Paes. Nega que Cláudia Costin seja um ícone do PSDB e avisa: os tucanos que participarem do governo de Paes terão de se entender com a comissão de ética do partido, que caminha para a oposição. "Quem perde não governa", defende Rocha, que foi vice na chapa de Gabeira.COBRANÇASEleito com uma vantagem inferior a 2% sobre Gabeira, o futuro prefeito sabe que logo receberá cobranças pelas promessas de campanha, especialmente nas áreas de saúde e transporte. Em vez de entregar a Saúde para Jandira, militante do tema que o acompanhou nas ruas no segundo turno, Paes escalou o cardiologista Hans Dohmann, técnico de sua cota pessoal.Para a pasta de Transportes, reivindicada pelo PT, preferiu o engenheiro Alexandre Fontes, outro em quem tem confiança pessoal. Até agora, só não contemplou o PRB do senador Marcelo Crivella.Para o cientista político Ricardo Ismael, da Pontifícia Universidade Católica (PUC-Rio), é natural que Paes busque nomes nos partidos onde construiu sua carreira política: "Ele tem uma trajetória, durante a qual conheceu pessoas nas quais confia. Nos quadros técnicos, busca nomes com visibilidade nacional, mas com experiência gerencial testada."Segundo Ismael, a vitória de Paes veio das promessas que fez: "Se não realizar, perde o capital político. Seria um desastre se loteasse áreas como saúde, educação e transportes."Para a historiadora Marly Motta, pesquisadora do Núcleo de Estudos do Rio da Fundação Getúlio Vargas (FGV), o secretariado de Paes dá um sinal de independência aos aliados e até mesmo ao PMDB. "Paes se volta para um perfil de Executivo administrador que se consolidou com Cesar Maia em 1992, mas isso não significa continuidade", analisa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.