Paes distribui Banco Imobiliário com obras de sua gestão

Uma edição especial do tradicional jogo de tabuleiro Banco Imobiliário, carregada de elogios a obras e programas do prefeito da cidade, Eduardo Paes (PMDB), está sendo distribuída em escolas públicas municipais do Rio de Janeiro.

ALFREDO JUNQUEIRA E ANTONIO PITA, Agência Estado

21 de fevereiro de 2013 | 18h58

O jogador não compra mais imóveis em bairros tradicionais de São Paulo ou do Rio, como na versão tradicional, mas passa a investir seus recursos em iniciativas como BRTs (via exclusiva para ônibus), Clínica da Família, Museu do Amanhã, Bairro Carioca, entre outras da administração Paes.

Ao custo de R$ 1,05 milhão, a prefeitura comprou 20 mil unidades para distribuir nas escolas e dar como prêmio aos melhores alunos da rede municipal. Os jogos começaram a ser entregues na segunda-feira (18).

As cartas que integram o "Banco Imobiliário - Cidade Olímpica" explicam em detalhes o objetivo das obras, o funcionamento de programas públicos e até a estrutura de algumas das autarquias municipais em que o jogador pode investir - como a RioFilme, empresa que atua na distribuição, expansão e estímulo da produção audiovisual, e a Comlurb, companhia de limpeza pública do município.

A caixa do jogo traz ilustrações do Cristo Redentor, Pão de Açúcar, Arcos da Lapa, entre outros ícones do Rio. O caso foi revelado pela edição desta quinta-feira do jornal O Dia.

"Jogo clássico"

De acordo com nota da prefeitura, a empresa Estrela, que produz o Banco Imobiliário, entrou em contato com a administração municipal e apresentou o projeto do jogo. A prefeitura autorizou a cessão do uso da imagem e ainda pagou R$ 1,05 milhão para comprar as unidades que serão distribuídas.

"O Banco Imobiliário é um jogo clássico, com diversas edições especiais, entre as quais a ''Cidade Olímpica'', que vai divulgar o Rio de Janeiro, cidade que será sede dos principais eventos internacionais nos próximos anos", justifica a nota.

Tudo o que sabemos sobre:
Eduardo PaesRioBanco Imobiliário

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.