Padre Marcelo grava seu quarto CD

De batina branca, exibindo um largo sorriso, padre Marcelo Rossi se escondia por de trás de um óculos escuro quando entrou na sala ao lado do Terço Bizantino, às 12h45, para falar com jornalistas após celebrar a Missa de Corpus Christi que começou as 10h10 da manhã com uma Ave-Maria e terminou as 12h30 com uma benção aos fiéis. Ligeiro na fala, Padre Marcelo foi logo explicando como contraiu uma conjuntivite há 15 dias. "Há duas semanas não resisti e beijei uma criancinha que estava com conjuntivite. Quando percebi, estava com o olho direito infeccionado. Não fui ao médico. Me automediquei. Usei colírio, água boricada, fiz uma mistura. Deu uma úlcera na córnea direita. Graças a Deus está tudo em ordem", afirmou. Ao tirar os óculos mal se podia perceber a cor de sua íris, tamanho o inchaço do olho. Padre Marcelo, mais uma vez, agradeceu ao Senhor por ter conseguido também celebrar a missa. "O médico não queria que eu ficasse exposto ao sol, mas graças a Deus consegui celebrar a missa e a minha fé conseguiu me levar até lá", disse, referindo-se ao altar. Fé é o que não falta ao padre Marcelo. Depois de lançar o primeiro CD, que vendeu 3,5 milhões de unidades, o segundo menos da metade, com uma tiragem de 1,5 milhão e mais 770 mil CDs na última empreitada, ele se ausentou da mídia e já está gravando o quarto CD, cujo o lançamento está previsto para o mês de outubro, aproveitando a data da padroeira do Brasil, comemorada no dia 12 de outubro. Questionado sobre qual a estimativa de venda dessa vez, padre Marcelo ficou um pouco desconsertado e respondeu pouco à vontade que o "mercado está difícil, a pirataria está forte". Sobre o tema que irá explorar neste CD, ele se limitou a informar que será sobre o novo milênio, mas que, com certeza, terá músicas evangélicas. Às 13h15, padre Marcelo deixou o bairro de Interlagos em direção ao consultório de seu médico oftalmologista, Dr. Paulo,(ele esqueceu o sobrenome do médico). Há dois dias, o padre vinha pedindo aos fiéis que levassem alimentos para os flagelados no Nordeste na missa e hoje, estava satisfeito ao fazer o balanço. "Graças a Deus, consegui 10 toneladas de alimentos que serão enviadas amanhã ao Nordeste. Os PMs informaram, no final da missa, que cerca de 50 mil pessoas compareceram ao culto ecumênico. Foram mobilizados 75 policiais, sendo 11 da CET e 64 da PM distribuídos em 6 viaturas.Segundo a médica de plantão, Elvira Rita, foram atendidas 80 pessoas. Padre Marcelo terminou a conversa com a imprensa dizendo que já conseguiu reduzir de 96 kW para 70 kW o consumo de energia no Santuário do Terço Bizantino. Evitando tecer críticas ao governo, ele chamou a atenção para o próximo racionamento. "Não será apagão, será falta de água. Vamos rezar para que não sequem nossas fontes", disse, fazendo um pedido a São Pedro para que não esqueça de nos mandar chuva.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.