André Dusek/Estadão Conteúdo
André Dusek/Estadão Conteúdo

Padilha tinha quatro 'senhas', diz delator da Odebrecht

Executivo ouvido pelo TSE afirma que atual ministro-chefe da Casa Civil intermediou pagamentos de caixa 2 para o PMDB

Rafael Moraes Moura, O Estado de S.Paulo

12 Março 2017 | 05h00

O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, recebeu da Odebrecht ao menos quatro senhas para o pagamento de caixa 2 ao PMDB, entre agosto e setembro de 2014, segundo disse o ex-executivo José de Carvalho Filho em depoimento ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na última sexta-feira (10). De acordo com ele, as senhas tinham os seguintes nomes: “Foguete”, “Árvore”, “Morango” e “Pinguim”.

Conforme reportagem publicada ontem no Estado, Carvalho afirmou ao TSE que Padilha intermediou o pagamento de caixa 2 para o PMDB. Fontes informaram que Padilha teria acertado locais de entrega do dinheiro da empreiteira mediante senhas trocadas com o ex-executivo. O valor destinado ao PMDB chegou a R$ 5 milhões – desse montante, R$ 500 mil seriam para o então deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Procurado pela reportagem, Padilha disse estar em repouso por recomendação médica e não se manifestou.

O Estado apurou que Carvalho procurou o peemedebista para solicitar os endereços onde seriam entregues as quantias. Segundo Carvalho, um dos locais indicados pelo atual ministro foi o escritório de José Yunes, amigo e ex-assessor do presidente Michel Temer. Esse pagamento teria sido realizado em 4 de setembro de 2014.

O depoimento de José de Carvalho Filho foi feito no âmbito da ação que apura se a chapa de Dilma Rousseff e Michel Temer cometeu abuso de poder político e econômico para se reeleger em 2014.

Mais conteúdo sobre:
Odebrecht Eliseu Padilha

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.