Padilha reúne-se com líder do governo para definir prioridade de projetos

Encontro entre o ministro de Relações Institucionais e Romero Jucá (PMDB-AP) foi para discussão de projetos como a reformulação do Cade

Carol Pires, do estadão.com.br

09 de novembro de 2010 | 17h50

BRASÍLIA - O ministro de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, reuniu-se nesta terça-feira, 9, com o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-AP), para negociar a votação de projetos prioritários para o governo, como a reformulação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), que está pronto para votação no plenário do Senado.

 

Padilha também citou como prioridades o projeto que cria o Cadastro Positivo de bons pagadores, o projeto de lei conhecido como PL 29, que define as novas regras da TV por assinatura, e também o projeto de lei que define as competências em matéria ambiental da União, Estados, DF e municípios.

 

O ministro também pediu que Jucá articule a rápida votação das Medidas Provisórias que devem ser votadas na Câmara dos Deputados nos próximos dias. Das 20 MPs na pauta, sete terão o prazo constitucional vencido este ano, segundo informou o ministro. No Senado, a pauta está limpa.

 

"Virou a página da eleição, esse é um momento de diálogo, inclusive com setores da oposição", disse Padilha, ao mostrar-se confiante com a aprovação das propostas antes do final do ano.

 

De acordo com Padilha, outros projetos, como o que torna obrigatória a concessão por parte das empresas de licença maternidade de seis meses, não devem ser discutidos este ano. Projetos que tenham impacto orçamentário para o governo ou para as empresas serão deixados para a pauta da próxima legislatura, que toma posse em fevereiro, disse o ministro.

 

Orçamento

 

Alexandre Padilha disse também acreditar que o Orçamento de 2011 será aprovado ainda este ano. "Acredito que, assim como nos anos anteriores, os parlamentares vão querer contribuir com o Brasil, garantir a votação do Orçamento", disse. Ainda esta tarde, Padilha conversará sobre o assunto com o vice-líder do governo no Congresso, Gilmar Machado (PT-MG).

 

Mais cedo, o líder do governo, Romero Jucá, sugeriu que, caso o Congresso Nacional não tenha tempo de aprovar o Orçamento antes do recesso, em 23 de dezembro, que os parlamentares aprovem uma auto-convocação para deixar o projeto orçamentário pronto para a presidente eleita, Dilma Rousseff (PT).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.