JOSÉ PONTES LUCIO/ESTADÃO
JOSÉ PONTES LUCIO/ESTADÃO

Padilha rebate críticas de Marta Suplicy a Haddad

A senadora, que não, era esperada, chegou de surpresa e foi a sensação do evento. Além de criticar Haddad, ela também distribuiu críticas à gestão da presidente Dilma Rousseff (PT).

PEDRO VENCESLAU, O Estado de S. Paulo

14 de março de 2015 | 13h05

O secretário de Relações Governamentais da prefeitura de São Paulo, Alexandre Padilha (PT), rebateu as críticas feitas pela senadora e ex-prefeita Marta Suplicy (PT) ao prefeito Fernando Haddad (PT) na manhã deste sábado (14) em um evento com moradores e lideranças em São Miguel Paulista, na zona leste da capital paulista.

Em processo de separação do PT e aproximação com o PSB, que deve lançá-la candidata à Prefeitura no ano que vem, Marta Suplicy apareceu de surpresa em um debate do programa "Câmara no seu bairro" e afirmou que Haddad fica no gabinete e não percorre os bairros da periferia da cidade. "Querer fazer política em um espaço tão importante é um desrespeito aos vereadores", rebateu Padilha.

O secretário, que disputou o Palácio dos Bandeirantes em 2014, Marta e o vereador Antonio Donato (PT), presidente da Câmara Municipal e ex-aliado da senadora, dividiram a mesa durante o encontro. Moradores se revezaram ao microfone com críticas ao atual prefeito e muitos fizeram elogios acalorados à ex-prefeita.

A senadora, que não, era esperada, chegou de surpresa e foi a sensação do evento. Além de criticar Haddad, ela também distribuiu críticas à gestão da presidente Dilma Rousseff (PT) diante de moradores e lideranças locais que disputavam a chance de tirar uma foto ao lado da visitante ilustre. "O tipo de gestão do Haddad aumenta a responsabilidade do vereador. Se o prefeito não sai (para percorrer os bairros), o vereador tem que sair", afirmou. Ela disse, ainda, que o governo Dilma é "ineficiente e descoordenado".

Tudo o que sabemos sobre:
PadilhaMartaHaddadcrítica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.