Padilha: Oposição transforma denúncia contra Receita em 'palanque eleitoral'

Ministro de Relações Institucionais acusa PSDB de criar 'factoides' em torno de investigações

Andrea Jubé Vianna, Agência Estado

31 de agosto de 2010 | 13h13

BRASÍLIA - O ministro de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, voltou a acusar o PSDB de transformar em "palanque eleitoral" o episódio da violação dos sigilo fiscal de dirigentes do partido e de criar "factoides" em torno das investigações conduzidas pela Receita Federal.

 

Veja também:

linkReceita indicia funcionárias, mas não menciona propina

linkDilma acusa oposição de 'uso eleitoral' do vazamento de IRs

linkCorregedoria sonega 13 volumes a tucano

linkDefesa estuda medidas para evitar indiciamento

 

"Eles não conseguem fazer palanques nos Estados, ficam criando palanques fictícios", alfinetou Padilha, em alusão à debandada de aliados da oposição para a campanha presidencial da candidata do PT, Dilma Rousseff, diante da escalada dela nas pesquisas. O ministro fez as declarações ao deixar o Congresso, onde acompanhou o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, na entrega do projeto de Lei Orçamentária para 2011.

 

Padilha afirmou, ainda, que a Receita Federal vai cumprir todos os procedimentos relativos à investigação da denúncia de ampla violação de sigilos fiscais, que atingiu pessoas ligadas ao alto comando do PSDB, bem como outras alheias à esfera política, como a apresentadora da Rede Globo, Ana Maria Braga.

 

Reportagem do jornal O Estado de S. Paulo mostrou que o vice-presidente do PSDB, Eduardo Jorge, não teve acesso à íntegra dos autos da sindicância interna conduzida pela Receita Federal para investigar o caso, apesar da determinação da Justiça Federal. O jornal revelou que 13 volumes do processo não foram entregues ao dirigente tucano.

 

"A Receita vai cumprir todas as determinações do juiz. O governo não admite irregularidades como essas", assegurou Padilha, em alusão ao esquema de violação generalizada de sigilos fiscais que veio à tona, após a denúncia de Eduardo Jorge.

 

Entretanto, embora o órgão tenha passado a sustentar a existência de um "suposto balcão de compra e venda de informações" e "pagamento de propina" na delegacia do Fisco em Mauá, na região do ABC paulista, o jornal O Estado de S. Paulo mostrou que essa versão não constou do relatório entregue ontem ao Ministério Público. O documento pediu o indiciamento de duas funcionárias daquela delegacia investigadas por violar o sigilo fiscal de quatro tucanos.

Tudo o que sabemos sobre:
Receita FederalPSDBPT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.