Padilha nega que Lula tenha desrespeitado TCU ao vetar artigos

Ministro declarou que o presidente 'acatou um pedidode governadores, trabalhadores e empresários'

Tânia Monteiro, de O Estado de S.Paulo,

27 de janeiro de 2010 | 19h12

O ministro-chefe da Secretaria de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, disse nesta quarta-feira, 27, que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva "de forma alguma" estava desrespeitando determinação do Tribunal de Contas da União (TCU) ao vetar artigos da Lei do Orçamento que permitem a continuidade de obras da Petrobras. Segundo o ministro, Lula atende "apelo de deputados, senadores, governadores, trabalhadores e empresários".

Veja Também

linkLula desafia TCU e coloca dinheiro em obras sob suspeita

 

Em entrevista realizada no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), Padilha declarou que, ao sancionar o Orçamento, o presidente "acatou um pedido, um apelo feito pelos governadores, pelos representantes dos trabalhadores do setor de petróleo, pelos empresários de indústria de base e pelo próprio comitê de obras irregulares da Câmara, que é quem analisa esse tema no âmbito da Comissão Mista do Orçamento".

Padilha lembrou que este comitê fez uma reunião informal na última semana e apresentou uma proposta ao presidente da Casa, Michel Temer (PMDB-SP), indicando que iria retirar essas obras do Anexo 6 que estava estabelecido na peça orçamentária de 2010. "O presidente Lula atendeu esse apelo e é um apelo fundamental porque são quatro obras da Petrobras que envolvem um conjunto de recursos muito importantes. E são mais de 25 mil empregos", disse.

Padilha insistiu que não se trata de uma afronta ao TCU e elogiou o trabalho da Comissão Mista do Orçamento, lembrando que, durante os trabalhos, os parlamentares discutiram todas as obras com o tribunal e com órgãos de governo. Segundo ele, a Câmara retirou uma série de obras que inicialmente estavam colocadas no Anexo 6.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.